As 3 ações mais recomendadas por 18 corretoras para turbinar a carteira de março

O ano mal começou e as turbulências externas já estão afetando as movimentações da Bolsa brasileira, trazendo volatilidade e renovando as preocupações com o mercado de capitais.

O surto de coronavírus na China e a sua disseminação a outros países, vem derrubando os índices internacionais, provocando medo e afetando a atividade econômica de um modo geral.

Nesse contexto, é imprescindível avaliar o melhor ativo para alocação de recursos, já que é impossível prever a amplitude de alcance da doença e os desdobramentos que ela trará.

Pensando nisso, trouxemos as 3 ações mais recomendadas por 18 corretoras, para ajudar você enfrentar as nuances deste momento, sem perder de vista a rentabilidade pretendida.

Petrobras (PETR3/ PETR4) – A gigante brasileira do petróleo segue em primeiro lugar com o maior número de recomendações, não só pelo ambicioso programa de alienação de ativos, mas também pelo desenvolvimento de seu potencial produtivo, com foco no “core business”.

Além de se concentrar nos segmentos de exploração e produção, a estatal está fortalecendo a sua resiliência para elevar o potencial de ganhos e distribuir maiores dividendos a partir de 2021, concretizando a sua estratégia de gerar valor aos acionistas.

JBS (JBSS3) – Ficando em segundo lugar no pódio, a JBS continua sendo o principal ativo do setor de proteína, devido ao excelente posicionamento geográfico e à diversificação de fontes de receita.

Adicionalmente, a empresa vem apresentando um crescimento sólido e recorrente nos resultados, melhora da eficiência na gestão do capital e boas perspectivas de valorização no curto prazo, com o possível alistamento de suas ações no mercado norte-americano.

Além disso, a recente queda nas ações do frigorífico tornou o ativo ainda mais atraente, já que a JBS está sendo negociada a preços descontados de seu valor real e as projeções sinalizam forte crescimento nos números de produção e vendas.

Renner (LREN3) – Muito bem posicionada no segmento de varejo de vestuário, a Lojas Renner apareceu muito bem cotada, devido à sua abordagem multicanal com foco na expansão do segmento de e-commerce e ao consistente desempenho acima do mercado.

Com uma administração focada nos pilares de eficiência e inovação, a companhia tem registrado aumento nos indicadores de vendas, mesmo em períodos de crise financeira e redução no consumo.

Como ativo que apresenta forte exposição ao ciclo de recuperação econômica, a projeção é que a demanda reprimida nos anos anteriores seja impulsionada pela nova conjuntura e permita o crescimento anual da receita líquida em quase 20% nos próximos anos.

Baixe a carteira recomendada deste mês e garanta o envio mensal das próximas edições gratuitamente