Com turbulências no cenário externo, Ibovespa cai e Dólar dispara a R$3,93

Antes mesmo da abertura do pregão, a Bolsa brasileira já havia sentido um forte golpe com o anúncio da prisão da diretora financeira da Companhia Huawei, Meng Wanzhou, com os índices futuros operando em queda e dólar em alta. As autoridades canadenses informaram que a prisão ocorreu no sábado, em Vancouver, e a decisão foi motivada por um pedido de extradição realizado pelos EUA, reascendendo as tensões comerciais entre Washington e Pequim.

O Departamento de Justiça americano se recusou a comentar sobre o assunto, embora a mídia local tenha divulgado que o pedido estaria relacionado às sanções ao Irã. A Companhia está na mira de autoridades de segurança nacional dos EUA devido a um suposto envolvimento em questões relacionadas à espionagem empresarial e segurança cibernética. Contudo, a Huawei nega, reiteradamente, que exista qualquer conexão entre a empresa e a segurança ou os serviços militares da China.

Às 12h05 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava um declínio de 1,32%, a 87.868 pontos e um giro financeiro de R$1,712 bilhão. O dólar comercial apresentava valorização de 1,66%, sendo cotado a R$3,93, repercutindo o clima negativo dos mercados globais. Os contratos de juros futuros trilhavam caminho de alta, devido ao sentimento de aversão ao risco que predominava no mercado.

O DI com vencimento para junho de 2020 subia 0,27%, sendo negociado a 7,47% (7,46% no ajuste anterior), o DI para junho de 2023 avançava 0,75%, sendo vendido a 9,42% (9,35% no ajuste anterior) e o DI para dezembro de 2029 aumentava 0,79%, sendo comercializado a 10,40% (10,31% no ajuste anterior).

As principais blue chips seguiam em território negativo, com perdas expressivas. Entre as estatais, Petrobras ON caía 2,87%, Petrobras PN diminuía 2,86%, Eletrobras PNB recuava 2,03%, Vale ON cedia 2,18%, Embraer ON perdia 1,12%, Banco do Brasil ON desvalorizava 1,36%, Cemig PN declinava 1,69% e Copasa ON tinha baixa de 1,35%.

No setor bancário, Itaú Unibanco ON perdia 1,15%, Santander BR tinha queda de 1,21% e Bradesco ON caía 1,58%. Acompanhando a queda das Commodities, as siderúrgicas também tinham redução. Usiminas PNA desabava 3,27%, Gerdau PN recuava 1,44% e CSN ON cedia 1,79%.

Relatório gratuito: Finanças Pessoais