Ibovespa deve enfrentar um mercado volátil no pregão de hoje

Confirmando o candle de reversão formado em 89.257, o Ibovespa sofreu uma leve correção no pregão do ontem e fechou em 88.624, apurando perdas. Segundo análise de Rafael Ribeiro do Infomoney, essa faixa será decisiva para definir os rumos do índice no curtíssimo prazo, pois se apresentar queda a ponto de perder o suporte recentemente rompido em 87.153, deve abrir novas oportunidades de compra, considerando a manutenção da sua tendência principal de alta.

Contudo, se confirmar o cenário de pullback e ganhar fôlego para superar a marca de 89.820, o índice deve adquirir aceleração até a ultrapassagem do último topo histórico em 91.242, e retomará o seu momento de alta, até alcançar o objetivo principal de 95 mil. Para hoje, a expectativa é de um dia de grande volatilidade, considerando o quadro de recuperação das perdas e novas interferências do cenário externo no desempenho do índice.

Economia brasileira

O crescimento da economia brasileira deve acelerar em 2019, passando de 1,4% neste ano, para 3% no ano que vem, impulsionado pela melhora nas condições do crédito e do mercado de trabalho, conforme avaliação divulgada pelo Credit Suisse. Leonardo Fonseca, o economista-chefe do banco, afirmou que os investimentos serão expandidos em até quase 2 dígitos em 2019 e isso trará aumento de até 3% no consumo das famílias.

O economista cita que o governo de Jair Bolsonaro tem demonstrado priorizar a agenda de reformas fiscais e fomento à produtividade, além de se empenhar em aprovar as medidas necessárias no congresso. Como resultado de tais políticas, as condições financeiras do país devem favorecer à expansão das atividades e os empresários terão mais segurança em realizar novos investimentos no ano que vem.

Ao mencionar as expectativas do banco para o mercado brasileiro, Fonseca informou ao Valor que, em um diagnóstico preliminar, há dois grandes problemas no país, “um de natureza fiscal e um de baixo crescimento”, e existem expectativas sobre a real capacidade do governo em enfrentar tais obstáculos de forma satisfatória. Ele acrescentou que Bolsonaro já forneceu sinais importantes de que sua gestão caminhará nesse sentido, sobretudo, pela autonomia de Paulo Guedes em montar a equipe econômica.