Ibovespa fecha em alta e encosta nos 94 mil; dólar sobe a R$3,71

Com o mercado operando em uma dinâmica mais tranquila, o pregão de hoje foi de parcial estabilidade para o Ibovespa e leve agitação no exterior. As preocupações com a economia chinesa e a paralisação do governo nos Estados Unidos foram os catalisadores do desempenho dos mercados. A Bolsa brasileira, que passou o dia oscilando, ganhou força no final da tarde e encerrou com avanço de 0,21%, a 93.805 pontos, registrando um giro financeiro de R$11,634 bilhões.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

O dólar comercial fechou em alta de 0,71%, sendo cotado a R$3,71, subindo forte após o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmar que os níveis de inflação moderados permitirão ao Banco Central trabalhar com maior flexibilidade no aumento das taxas de juros de curto prazo. O movimento cambial foi fortemente afetado pela disputa entre o otimismo do cenário doméstico com as ações do governo no sentido de concretizar a agenda de reformas e as preocupações com a desaceleração da economia global.

Os contratos de juros futuros encerraram com valorização, demonstrando que o mercado já está precificando a aprovação da Reforma da Previdência. O DI com vencimento para maio/2019 aumentou 0,23%, sendo negociado a 6,45% (6,44% no ajuste anterior), o DI para março/2020 subiu 1,04%, sendo vendido a 6,80% (6,72% no ajuste anterior) e o DI para setembro/2022 teve alta de 1,58%, sendo comercializado a 8,38% (8,29% no ajuste anterior).

Baixe o Infográfico: 5 motivos – Por Que Investir na Bolsa Agora É Um Bom Negócio

As principais blue chips fecharam entre perdas e ganhos para diferentes setores. As ações da Petrobras desvalorizaram em atenção à sugestão da Agência Nacional do Petróleo em limitar a participação da estatal no mercado de gás natural, visando aumentar a concorrência no setor. Ás 18h44 (horário de Brasília), o petróleo Brent para março/2019 tinha alta de 0,37%, sendo cotado a US$61,70 o barril, e o petróleo WTI para fevereiro/2019 aumentava 0,53%, sendo cotado a US$52,64 o barril.

COMPANHIAS ESTATAIS
Ativo 09/01 10/01 Ativo 09/01 10/01
Petrobras (PETR3) +2,02% -0,49% Vale (VALE3) +2,44% -1,10%
Petrobras (PETR4) +2,08% -0,86% Embraer (EMBR3) -0,37% -1,36%
Eletrobras (ELET3) +0,39% +1,31% Banco do Brasil (BBAS3) -0,27% 1,46%
Eletrobras (ELET6) +1,01% +1,30% Cemig (CMIG4) +1,57% +1,77%

Relatório gratuito – Petrobras: O petróleo é nosso

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Ativo 09/01 10/01 Ativo 09/01 10/01
Itaú Unibanco (ITUB3) +0,93% 00% Usiminas (USIM3) +1,56% 00%
Santander (SANB11) +1,38% +1,04% CSN (CSNA3) +0,82% +1,01%
Bradesco (BBDC3) +2,09% +0,30% Gerdau (GGBR4) +2,83% -2,56%

 Relatório gratuito – Banco do Brasil: O gigante acordou

Maiores altas do Ibovespa:

CIEL3 / R$ 11,09 / +9,48%
LOGG3 / R$ 17,49 / +7,70%
RADL3 / R$ 63,93 / +4,61%
BTOW3 / R$ 46,50 / +3,84%
SMLS3 / R$ 42,90 / +3,13%

Maiores baixas do Ibovespa:

TIMP3 / R$ 12,50 / -3,77%
GGBR4 / R$ 15,59 / -2,56%
MRFG3 / R$ 5,51 / -1,43%
EMBR3 / R$ 20,99 / -1,36%
EGIE3 / R$ 36,22 / -1,17%