Ibovespa fecha em queda, dólar dispara e cenário internacional não ajuda

Interrompendo o movimento de queda presenciado nos últimos dias, o dólar comercial fecha em sua maior alta diária chegando a R$3,76, com uma variação positiva de 1,423%. Na direção contrária, o Ibovespa encerrou as operações registrando uma queda de 2,80%, a 83.679 pontos e um volume financeiro de R$14,645 bilhões, operando o seu pior pregão desde agosto.

Os resultados de hoje refletem a ação de múltiplas variáveis que, em conjunto, pressionaram a Bolsa brasileira. No mercado externo, as Treasuries dispararam, alcançando o maior valor nos últimos 10 anos, e por isso, ocasionaram uma forte queda nos principais índices norte-americanos. O Dow Jones fechou com a margem negativa de 3,15% e o S&P500 recuou 3,29%.

No cenário interno, o mercado reagiu negativamente às declarações do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), que mantinha um discurso totalmente voltado à privatização das estatais e, recentemente, ponderou sobre algumas questões sensíveis de sua agenda liberal.

Analistas avaliam se esse novo posicionamento mudaria a relação do candidato com o mercado e enfatizam que ele precisará de habilidade para garantir uma base sólida de apoio no congresso até mesmo dentro do próprio partido, tendo em vista que dos 52 deputados eleitos pelo PSL, apenas 6 se comprometeram a dar prioridade às pautas econômicas.

Porém, em se tratando da escolha entre um ou outro candidato, Fernando Haddad (PT), que figura o polo oposto, mantém uma narrativa totalmente anti-mercado, fazendo com que, mesmo diante de algumas controvérsias, a preferência ainda seja por Bolsonaro.

Na pesquisa feita pela Ideia Big Data em parceria com a Veja e divulgada hoje, a primeira após o 1º turno de eleições, o militar reformado aparece com 54% das intenções de voto válidos, contra 46% do petista. Se não fosse apenas pelo discurso, também o seria pelas chances reais de vitória do candidato do PSL, mas a grande questão é que a lua de mel entre Bolsonaro e o mercado está longe de terminar.