Ibovespa opera em queda refletindo a decepção com pacote de estímulos nos EUA

O Ibovespa opera em forte queda nesta quarta-feira (11), refletindo a decepção dos investidores com o pacote de estímulos anunciado pelos Estados Unidos.

As incertezas quanto às medidas que serão adotadas para assegurar a saúde financeira da economia norte-americana pressionavam o desempenho das principais Bolsas internacionais.

O mercado esperava que Donald Trump detalhasse quais seriam os estímulos a serem aplicados para minimizar os impactos do coronavírus, contudo, o presidente cancelou as declarações e isso derrubou as expectativas.

No sentido oposto, Christine Lagarde, atual presidente do Banco Central Europeu (BCE), alertou que esta crise poderá trazer consequências semelhantes ao que ocorreu em 2008, de forma que a autoridade monetária deverá agir.

O Banco Central da Inglaterra foi ainda mais rápido e reduziu sua taxa básica de juros em 0,50%, ao mesmo tempo em que o ministro das Finanças do Reino Unido informou a liberação de 30 bilhões de libras para conter a disseminação da doença.

No mundo todo, mais de 110 mil pessoas estão infectadas com o Covid-19, sendo que, aproximadamente 4 mil não resistiram.

Só nos EUA, o número de contaminações já ultrapassou a faixa de 1.000 e 29 foram à óbito, enquanto na Europa, foram contabilizados aproximadamente 15 mil casos e 543 vítimas fatais.

No Brasil, foram reportados 35 casos de infecção pelo vírus e mais de 1.000 pessoas estão sendo monitoradas sob suspeita ou aguardam confirmação.

Não obstante as turbulências no exterior estejam afetando o desempenho dos ativos locais, os indicadores econômicos continuam em firme declínio.

O Ministério da Economia revisou para baixo as suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB), que passou de 2,4% para 2,1% ao final de 2020.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,25% em fevereiro, mas registrou o menor resultado para o mês desde o ano 2000.

Na B3, a sessão era de perdas para a grande maioria das ações, com as companhias Azul (AZUL4), CSN (CSNA3), Gol (GOLL4) e Gerdau (GGBR4) liderando a baixa.

Ás 12h34 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira caía 5,01%, aos 87.598 pontos, com um volume financeiro de R$7,378 bilhões.