Nova crise do petróleo marca a semana

Depois de uma semana agitada nos mercados internacionais, a segunda-feira (12) começou com sinais mistos. Em grande parte, devido aos riscos já vistos, como a guerra comercial entre EUA e China, a expectativa de menor crescimento global, preços do petróleo e o medo de aumento dos juros mais forte na terra do Tio Sam. A semana foi mais curta e com menor volume devido aos feriados, mas não só por aqui, já que foi feriado nos EUA na segunda.

Já a terça-feira (13) começa com ânimo devido às esperanças renovadas com as negociações na novela da guerra comercial entre EUA e China. Na segunda, houve uma retomada da conversa entre os dois países – a última vista neste sentido havia sido em maio deste ano. O desenrolar da guerra comercial entre os dois gigantes tem durado praticamente o ano de 2018 todo.

Nesta quarta-feira (14) com cara de sexta, o dia não foi nada animador para os mercados. O petróleo caminhou para o décimo terceiro dia seguido de queda, após ter despencado 7,1 por cento apenas. O dia foi marcado com a fala de Trump de que a Opep deveria manter a sua produção. Com as notícias negativas, os mercados asiáticos fecharam no vermelho e os americanos abriram negativos.

O principal índice de ações brasileiras (ADR’s) negociado na Bolsa de Valores dos EUA, o Dow Jones Brasil Titans, subiu 2,33 por cento nesta quinta-feira (15). Por conta do feriado da Proclamação da República, o mercado local (B3) não realizou negociações.

Na emenda de feriado (16), os mercados internacionais têm um dia misto. Enquanto Ásia e Europa ficam no positivo, os norte-americanos ensaiam um dia mais negativo após a forte alta de um de seus principais índices de referência, o S&P, que subiu 1,1 por cento apenas no dia 15.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

E Eu Com Isso?

Nos mercados mundiais, os principais destaques foram a nova crise do petróleo e a retomada das conversas entre EUA e China. Por aqui, além dos reflexos dessas notícias, o final da semana foi positivo, principalmente por conta das nomeações de Joaquim Levy e Roberto Campos Neto para o BNDES e o BC, respectivamente.

Baixe o Infográfico: 5 motivos – Por Que Investir na Bolsa Agora É Um Bom Negócio