TIM teria mais a ganhar com compra da Oi Móvel, diz BTG Pactual

A TIM é a operadora que tem mais a ganhar com uma possível compra da Oi Móvel porque ficaria a par do alcance de cobertura da Vivo e da Claro, disse hoje o BTG Pactual, apontando que a aquisição poderia adicionar R$13 bilhões ao valor da companhia, ou R$5,50 por ação.

Com a previsão, os analistas Carlos Sequeira e Osni Carli elevaram o preço-alvo da TIM de R$16,50 para R$22, abrindo espaço para uma valorização de 33% caso a aquisição venha a acontecer. Para eles, a próxima rodada de aumento das margens das operadoras brasileiras virá com a consolidação de mercado, e a TIM é a mais bem posicionada para aproveitar o impulso. A Vivo, segundo eles, também poderia tirar proveito da aquisição da Oi Móvel, mas com potencial de alta de 16,5% para o papel, metade da TIM. Os analistas elevaram o preço-alvo do papel para R$64 e reiteraram a companhia como boa pagadora de dividendos.

No final de semana, o colunista Lauro Jardim, do Globo, informou que a Oi teria contratado o Bank of America para liderar a operação de venda da operação móvel e que informações relacionadas à transação teriam sido repassadas à TIM, Claro e Vivo. Segundo o BTG, que há duas semanas cortou o preço-alvo de Oi ON de R$3,50 para R$2,00, mas manteve a recomendação de compra, a venda poderia arrecadar de sete a oito vezes o EV/Ebitda da companhia, ou de R$15 bilhões a R$18 bilhões. Sem a Oi Móvel, a empresa poderia chegar a uma receita de R$12 bilhões, com Ebitda de R$3 bilhões.

Na sexta, o papel ON da Oi fechou em queda de 10%, negociado a R$0,96, devolvendo parte da euforia do mercado com a venda da Unitel. Em doze meses, a Oi acumula queda de 26%, enquanto TIM e Vivo acumulam altas de 41% e 36%, respectivamente.