Importações de soja para a China caem 24% em maio por conta de tensões com os EUA

As importações de soja para a China caíram 24% em maio, na comparação com o mesmo mês em 2018, devido a guerra comercial com os EUA e a peste suína africana. As informações foram divulgadas nesta segunda feira (10), pela Administração Geral de Alfândegas.

Enquanto em maio do ano passado foram compradas 9,69 milhões de toneladas de soja pela China, este ano as vendas totalizaram 7,36 milhões de toneladas. O resultado de maio é menor do que o de abril, quando houve um salto após compradores adiarem cargas por conta de uma mudança tarifária.

No acumulado do ano as importações somaram 31,75 milhões de toneladas, uma queda de 12,2%, com tarifas mais altas sobre os embarques dos Estados Unidos, o segundo maior produtor da commoditie no mundo.

Embora a China tenha anunciado em dezembro a compra de 14 milhões de toneladas de soja dos Estados Unidos durante uma trégua, as negociações foram suspensas em maio após as tensões se acentuarem novamente.

A China agora planeja estocar até 7 milhões de toneladas em soja dos EUA adquiridas durante a trégua, em preparação para uma possível guerra comercial prolongada.

Esta manobra pode favorecer o Brasil, que é o segundo maior produtor de soja do globo. Desde o início das tensões entre as potências, as importações brasileiras de soja para a China já cresceram mais de 50% e para a suprir a demanda de cerca de 1,4 bilhão de pessoas as estimativas são de que nossos negócios sigam o rumo de expansão.