Dólar desvia do exterior e cai a R$4,16 refletindo IPCA

O dólar comercial operava em baixa nesta quinta-feira (23), refletindo os dados mais fortes do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA-15 de janeiro avançou 0,71%, permanecendo no intervalo das projeções dos analistas.

Embora o indicador tenha mostrado desaceleração em relação a dezembro, esse foi o maior valor para o mês desde 2016.

Diante disso, o real subia contra a divisa americana, percorrendo o sentido contrário às demais moedas emergentes, que depreciavam reagindo ao aumento da aversão ao risco.

No exterior, a sessão é de cautela e apreensão frente ao salto do número de mortos e infectados pela variante do coronavírus, na Ásia.

O governo chinês decidiu isolar a cidade de Wuhan para conter a disseminação da doença e pediu para que os cidadãos só saiam da região em casos excepcionais.

Ás 12h28 (horário de Brasília), o dólar comercial recuava 0,31% contra o real, sendo cotado a R$4,1620 na venda.

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros operavam com forte alta nas taxas ao longo da curva, em atenção ao aumento do IPCA-15 de janeiro.

Apesar de o mercado descartar novas pressões inflacionárias no curto prazo, o avanço do índice pode incentivar o Banco Central a encerrar, antecipadamente, o ciclo de cortes na taxa Selic.

O DI outubro/2020 subia 1,06% sendo negociado a 4,29% (4,24% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2025 aumentava 0,66%, sendo vendido a 6,34% (6,30% no ajuste anterior).