Dólar dispara a R$4,16 com fuga de capital após corte na Selic

O dólar comercial disparou nesta quinta-feira (19), fechando na cotação de R$4,1630 na venda, um dia depois que o Banco Central cortou em 0,50% a taxa Selic.

O real brasileiro depreciou 1,46% contra a divisa americana, consagrando o movimento de fuga de capital estrangeiro, sobretudo dos fundos especulativos, que saíram em busca de melhores oportunidades de remuneração.

Isso aconteceu porque os investidores avaliam a diferença entre a taxa de juros paga por um país nos títulos de sua dívida e a taxa praticada nos Estados Unidos (que possuem os bonds mais seguros do mundo).

Quanto menor for essa diferença, menor será a atratividade daquele país para o rentismo. E foi isso que aconteceu após a redução da taxa de juros brasileira, já que essa diferença sofreu uma grande redução.

No caso do real, ainda há um agravante, pois o ciclo de cortes na taxa Selic ainda não terminou, de modo que até o final do ano, a expectativa é que o índice fique abaixo dos 5%.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros também apresentaram recuo nas taxas de olho no Copom, mas os DIs de longo prazo avançaram ligeiramente, seguindo a tônica cambial.

O DI junho/2020 recuou para 4,88% (5,04% no ajuste anterior), o DI abril/2023 caiu para 6,29% (6,37% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 subiu a 7,08% (7,01% no ajuste anterior).