Dólar fecha a R$5,03 com exterior positivo e auxílio financeiro nos EUA

O dólar comercial caiu 0,93% nesta quarta-feira (25), fechando na cotação de R$5,0316 na venda, refletindo a melhora do cenário externo.

O apetite ao risco foi renovado nos mercados internacionais após republicanos e democratas chegarem a um acordo no Congresso americano para aprovar o pacote de auxílio financeiro no valor de US$2 trilhões.

Os recursos serão empregados no combate ao coronavírus, que já infectou mais de 60 mil pessoas no país e levou a óbito cerca de 827.

Os investidores ficaram muito animados com a proposta, que evidenciou o compromisso do governo dos EUA em assumir a responsabilidade de prover liquidez ao país neste momento de turbulências.

No Brasil, o Banco Central atuou no câmbio, vendendo integralmente os US$3,3 bilhões de recursos ofertados, através de um leilão de linha, com compromisso de recompra.

Isso arrefeceu a demanda por moeda estrangeira e viabilizou o fortalecimento do real nesta sessão, apesar do avanço da epidemia.

O ministério da Saúde reportou 2.433 casos confirmados de infecção pelo Covid-19 e contabilizou 57 mortos, mas, especialistas da área estimam que estes números devem estar subavaliados.

Um fator que adicionou volatilidade às negociações foi o discurso que o presidente Jair Bolsonaro realizou em cadeia nacional, voltando a menosprezar os impactos do vírus, defendendo que todos retornem ao trabalho.

O pronunciamento não foi bem recebido por parlamentares da base e da oposição, além de gerar fortes críticas por setores estratégicos e ligados à saúde.

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros encerraram em forte queda, com os investidores retirando o prêmio de risco dos ativos, frente à possibilidade de o país enfrentar uma redução da taxa Selic ainda maior.

O DI dezembro/2020 caiu para 3,36% (3,59% no ajuste anterior), o DI julho/2023 declinou para 6,62% (7,30% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 recuou para 7,97% (8,75% no ajuste anterior).