Dólar recua a R$4,33 com atuação do Banco Central

O dólar comercial caiu 0,34% nesta quinta-feira (13), fechando na cotação de R$4,3350 na venda, depois de renovar a máxima histórica intradiária em R$4,3820.

O clima de aversão ao risco no exterior fortaleceu a divisa americana contra as principais moedas emergentes e atreladas ao desempenho das commodities.

O grande catalisador foi o aumento exponencial do número de mortos e contaminados pelo coronavírus, após o governo chinês mudar o método de avaliação e confirmação dos novos casos suspeitos.

Mas por aqui, o movimento do real destoou das demais divisas devido à intervenção do Banco Central, na realização de um leilão de 20 mil contratos de swap cambial.

Apesar de o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, afirmarem que as intervenções do ano passado foram pontuais, a de hoje serviu para assegurar a liquidez do mercado local.

Mesmo após a aplicação da medida adotada pela instituição, o riso-país continua estável, próximo aos menores patamares dos últimos nove anos.

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros avançaram em todos os períodos, com os investidores fazendo a recomposição do prêmio de risco de ponta a ponta da curva a termo.

O mau humor no cenário internacional também ajudou a manter o viés de alta nas taxas, com o mercado precificando os impactos da rápida propagação do coronavírus na economia mundial.

O DI dezembro/2020 subiu para 4,22% (4,21% no ajuste anterior), o DI abril/2024 aumentou para 5,91% (5,83% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2028 cresceu para 6,57% (6,52% no ajuste anterior).