Dólar salta a R$4,13 com exterior negativo e “efeito STF”

O dólar comercial operava em forte alta nesta sexta-feira (08), refletindo o exterior negativo contaminado com as incertezas sobre o acordo comercial entre Estados Unidos e China.

As notícias controversas sobre a remoção de tarifas da guerra comercial pressionavam o aumento da aversão ao risco.

Autoridades chinesas chegaram a confirmar que houve consenso entre os dois países quanto à retirada das taxas impostas durante a disputa, porém, o governo americano não confirmou a afirmação.

E segundo a Reuters, há uma vertente de grande oposição ao tema dentro da Casa Branca, que está impedindo a concretização da medida e poderá afetar a conclusão da primeira fase do acordo.

Por aqui, o mercado segue atento à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que na noite de ontem, formou jurisprudência contra a prisão após condenação em segunda instância.

Na visão de alguns analistas de mercado, o “efeito STF” poderá colocar mais pressão sobre o real, já que, o clima de insegurança jurídica gerado pela medida tende a afastar o investidor estrangeiro do país.

Ás 12h25 (horário de Brasília), o dólar comercial valorizava 1,08% contra o real brasileiro, sendo cortado a R$4,1350 na venda.

Na mesma linha, os contratos de juros futuros rondavam a estabilidade, apesar do viés de alta, de olho nas movimentações políticas, após o novo posicionamento do supremo.

O DI maio/2020 permanecia estável sendo negociado a 4,47% e o DI janeiro/2026 recuava 0,16% sendo vendido a 6,38% (6,39% no ajuste anterior).