Dólar sobe a R$4 com cenário político adverso

Depois de ter batido em R$4,02 na máxima do dia, o dólar comercial desacelerou os ganhos, mas ainda mostra viés de alta. Com o aumento das tensões no cenário político e as incertezas do mercado externo, a divisa americana ganhava terreno na paridade contra as principais moedas emergentes.

Ás 12h16 (horário de Brasília), o dólar valorizava 0,60% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$4, em uma sessão que predominava a aversão ao risco. O mercado não tem visto com bons olhos as articulações do governo Bolsonaro e, por isso, há um movimento intenso de busca por proteção.

Os contratos de juros futuros apresentavam elevação nas taxas ao longo de toda a curva a termo, com os investidores reagindo à paralisação nacional contra os cortes nas verbas destinadas à educação e ao resultado decepcionante do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR) de março.

A atividade econômica brasileira recuou novamente em março, registrando uma baixa de 0,28%, na série com ajuste sazonal. O dado veio em linha com as projeções dos especialistas, que previram uma redução no intervalo de 0 a 1%.

O DI com vencimento para setembro/2020 subia 0,30%, sendo negociado a 6,67% (6,65% no ajuste anterior), o DI para junho/2023 aumentava 0,37%, sendo comercializado a 8,21% (8,18% no ajuste anterior) e o DI para dezembro/2025 disparava 1,26%, sendo vendido a 8,82% (8,74% no ajuste anterior).

Leia mais:

Com turbulências no cenário político e tensões EUA-China, Ibovespa opera em queda