Dólar sobe a R$4 e juros avançam com piora no exterior

O dólar comercial avançava nesta quinta-feira (31), refletindo a piora do ambiente no exterior causado por notícias negativas entre Estados Unidos e China.

Segundo a Bloomberg, autoridades chinesas estariam incertas quanto à conclusão de um acordo comercial amplo com o governo americano, devido à impulsividade de Donald Trump.

Interlocutores do governo chinês estariam temerosos de que o presidente americano pudesse vir a desistir da primeira fase do pacto e, por isso, estavam cautelosos quanto à discussão de assuntos mais delicados.

Como reflexo, a divisa americana apresentava comportamentos mistos frente às demais moedas emergentes, avançando contra a lira turca e recuando contra o rublo russo.

Na paridade com o real, às 12h30 (horário de Brasília), o dólar comercial subia 0,53%, sendo cotado a R$4,0060 na venda.

O mercado também reagia à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de reduzir em 0,50% a taxa Selic, para 5% ao ano.

Os contratos de juros futuros operavam em alta, passando por ajustes, devido ao excesso de retirada do prêmio de risco, precificando o ambiente de maior flexibilização.

O DI outubro/2020 disparava 3,03% sendo negociado a 4,41% (4,30% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2023 aumentava 1,51% sendo vendido a 5,39% (5,35% no ajuste anterior).