Desigualdade de renda é um risco à democracia, aponta jornal

Com a diminuição de sua parcela na riqueza global, a classe média tem recorrido cada vez mais à governos populistas, ameaçando a soberania das democracias ao redor do mundo, aponta a reportagem “Desigualdade Global” divulgada pela Folha de S. Paulo.

Nos últimos quarenta anos boa parte da população mundial saiu da pobreza extrema e aumentou seu potencial de compras. Com isso, a classe média ficou entre os 50% mais pobres e os 10% mais ricos e viu seus status diminuir.

‘’O fenômeno é mais visível no Ocidente, onde vivem 85% da população de alto poder aquisitivo. Emergem movimentos nacionalistas, como o que levou ao brexit —a decisão dos britânicos de se separar da União Europeia’’, diz a Folha.

No Reino Unido, desde 1980 a parcela dos 1% mais ricos dobrou sua fatia na renda nacional. No entanto, nos últimos cinco anos 500 mil pessoas empobreceram, e vivem com ganho mensal inferior a 60% da média britânica.

”Para especialistas, sem soluções multilaterais para a crescente disparidade de renda, as democracias liberais e o crescimento global permanecerão ameaçados pelo discurso protecionista e hostil à imigração.”

“A globalização devia beneficiar a classe média nos países ricos, o que não ocorreu”, diz Lucas Chancel, um dos coordenadores do Relatório da Desigualdade Global, da equipe do economista Thomas Piketty.