Economia do Sul cresce mais que a do resto do país devido exportações

A economia do Sul do país tem crescido mais do que a média do restante do Brasil, apontam dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Banco Central (BC) e do Ministério da Economia. O avanço se deve ao aumento das exportações de celulose, carnes, papel e fumo.

O que contribuiu para o crescimento das vendas para o exterior foi o dinamismo produtivo da região e a desvalorização do real frente ao dólar, o que barateia os custos de produção calculados na moeda americana e torna mais competitivos os bens produzidos.

A economista Camila Saito, da Tendências Consultoria, reuniu os três Estados do Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande Sul), e com base nos números IBGE atestou ao jornal Valor Econômico que no primeiro quadrimestre de 2019 a região cresceu 5,3% ante o mesmo período de 2018, e ficando bem acima da média nacional, que teve recuo de 2,7%.

Comparativo de setores e bens produzidos na região Sul à média nacional

Setor e bens Região Sul Média do Brasil
Metalurgia + 4% – 0,8%
Produtos de metal + 12,2% + 5,3%
Máquinas e equipamentos + 14,5% + 1,6%
Máquinas, aparelhos e materiais elétricos + 8,8% – 1%

Segundo a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, as exportações de produtos da região Sul aos países vizinhos tiveram aumento expressivo até maio, uma vez que vinham perdendo mercado para produtos chineses.

Baixos números de desemprego e avanço na renda do trabalho também foram fundamentais para o incremento regional.