OCDE reduz previsões de crescimento para a economia global ao menor patamar desde 2008

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu as estimativas de crescimento econômico mundial de 3,2% para 2,9% em 2019 e de 3,4% para 3% em 2020. As estimativas anteriores foram anunciadas em maio.

Segundo a OCDE, caso as previsões se confirmem estas serão as menores taxas de crescimento anual desde a crise de 2008/2009.

A OCDE aponta como fatores principais para a desaceleração global as incertezas geradas pelo Brexit, a guerra comercial protagonizada pelos Estados Unidos e a China e o maior endividamento privado.

“A economia global está enfrentando ventos contrários cada vez mais graves e o crescimento, que já é lento, está se tornando preocupantemente entrincheirado”, disse o economista-chefe da OCDE, Laurence Boone.

“A incerteza provocada pelas tensões comerciais contínuas tem sido duradoura, reduzindo a atividade em todo o mundo e comprometendo nosso futuro econômico. Os governos precisam aproveitar a oportunidade oferecida pelas baixas taxas de juros atuais para renovar o investimento em infraestrutura e promover a economia do futuro”, acrescentou.

Já para o Brasil, as estimativas caíram de 1,4% para 0,8% em 2019, ficando abaixo de previsões de analistas do mercado brasileiro. Para 2020, a previsão da OCDE para a expansão da economia brasileira foi revisada de 2,3% para 1,7%.

A OCDE também afirma que há ameaças em outros países, como a zona do euro e sobretudo nos grandes países emergentes que sofrem com a desaceleração na China por causa da queda das exportações de matérias-primas.