Avianca levanta R$ 558 milhões em leilão, mas trâmite pode ser anulado

Em um leilão de seus ativos realizado ontem, a Avianca Brasil conseguiu levantar US$ 147,3 milhões (cerca de R$ 558 milhões). O valor representa 20,6% da dívida de R$ 2,7 bilhões da companhia, mas a justiça pode anular a movimentação e impedir que a Avianca tenha acesso ao dinheiro.

O motivo do possível impasse judicial é que a Avianca Brasil vendeu seus slots (autorizações de pousos e decolagens) nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos (SP) e Santos Dumont (RJ), que não são considerados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) propriedades das companhias.

A agência reguladora tem autorização da Justiça para redistribuir esses slots entre as empresas aéreas que fizerem solicitações.

Apenas a Gol e a Latam participaram ontem do leilão. ‘’Cada uma já havia se comprometido com a Elliott – gestora americana e maior credora da Avianca Brasil, com 74% da dívida – a apresentar um lance mínimo de US$ 70 milhões por ao menos um dos lotes disputados. Ao todo, eram sete lotes com as autorizações e um com o programa fidelidade da companhia’’, informou o jornal O Estado de S. Paulo.

A Azul também estava credenciada para participar do leilão, mas não compareceu por “não acreditar na legitimidade do processo”

Dois blocos que estavam sendo leiloados não foram arrematados. Um que oferecia 23 voos em Congonhas e outro que tinha o programa de fidelidade. Com isso, a Avianca terá que fazer uma assembleia com os credores para definir o destino destes blocos.