Banco do Brasil dispara 33,5% e fecha o 3º trimestre com lucro de R$4,5 bilhões

O Banco do Brasil (BBAS3) reportou um lucro líquido ajustado de R$4,543 bilhões no terceiro trimestre, mostrando um avanço de 33,5% sobre a cifra do mesmo período do ano passado.

O lucro líquido contábil subiu 34% na comparação anual, alcançando o montante de R$4,253 bilhões e a margem financeira bruta do período aumentou 4,9%, somando R$13,260 bilhões.

Com destaque para o valor apurado como receita de tarifas, que alcançou R$7,466 bilhões, o que equivale a um crescimento de 8,7% sobre o mesmo trimestre de 2018.

Todos os demais segmentos de receita (conta corrente; administração de fundos; seguros, previdência e capitalização; cartão de crédito e débito) também computaram expansão no intervalo.

Em contrapartida, as despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa (PDD) alcançaram R$3,316 bilhões, avançando 2,8% na comparação anualizada.

E o índice de inadimplência geral, mensurado de julho a setembro, fechou em 3,47% da carteira de crédito, representando um ligeiro aumento de 0,66% sobre o mesmo trimestre de 2018.

Em relatório, a instituição avaliou que os bons resultados foram impulsionados por maiores margens financeiras e pela redução nos valores de imposto de renda e na contribuição social.

Além disso, houve uma revisão para cima das projeções de lucro do banco, fixando uma nova estimativa entre R$16,5 a R$18,5 bilhões, ante a previsão de R$14,5 a R$17,5 bilhões.

O Banco do Brasil também anunciou que realizará o pagamento de juros sobre o capital próprio adicional, no valor de R$1,041 bilhão, referentes ao terceiro trimestre.