BB Investimentos corta alvo de Itaú Unibanco, Santander e ABC Brasil, mas mantém ‘compra’

O BB Investimentos reduziu os preços-alvo, mas manteve a recomendação outperform – ou desempenho acima da média de mercado – para os papéis do Itaú Unibanco, Santander e ABC Brasil, com perspectiva de crescimento menor da demanda por crédito de grandes empresas em 2020, efeito da queda dos juros sobre as margens, concorrência das fintechs e o aumento da inadimplência pela mudança do mix das carteiras para linhas de maior risco.

O BB estima que o crescimento das receitas do Itaú fique abaixo do esperado anteriormente, uma vez que os resultados trimestrais não vieram dentro do esperado no início do ano. O Itaú deverá continuar conseguindo tirar proveito da melhora do mix de crédito nos próximos trimestres, aumentando a fatia do mercado de micro e pequenas empresas. Haverá ainda queda nas receitas de serviços de conta corrente e cartões, e ganho com asset management e mercado de capitais. O BB estima um preço-alvo para a ação PN do Itaú em 2020 de R$43,80, abaixo dos R$45,00 previstos anteriormente, mas com um potencial de alta de 19,8% em relação ao fechamento desta segunda.

Sobre o Santander, o BB Investimentos diz que a instituição teve resultados abaixo das estimativas nos últimos trimestres, mas tem potencial para continuar crescendo as receitas de crédito e serviços. Entretanto, os analistas alteraram a projeção de inadimplência após detectar sinais de piora depois de o Santander mudar seu mix de crédito, buscando mais varejo. O banco de investimentos estima um preço-alvo de R$50,20 para a Unit do Santander em 2020, abaixo dos R$51,00 previstos inicialmente, mas com um potencial de alta de 12,8% sobre o fechamento de ontem, e mantém recomendação outperform, ou acima da média do mercado para o papel.

A instituição ABC Brasil passa por uma reestruturação para atender clientes com faturamento bruto anual de R$30 bilhões a R$250 bilhões, o que aumenta os gastos com pessoal, sistemas e tecnologia. Para o BB Investimentos, os frutos desse processo só virão daqui a dois anos. Por isso, a expectativa é de crescimento mais lento que o previsto para os próximos anos, com a pressão sobre os spreads em um momento mais difícil de concessão de crédito para grandes empresas. O ABC poderá compensar essas pressões com atuação em nichos que não eram atendidos pelo banco e o potencial de crescimento no corporate. O BB Investimentos estima um preço-alvo de R$20,80 para a ação PN do ABC Brasil, menor que os R$21,00 previstos anteriormente, mas com um potencial de alta de 11,4% sobre o fechamento de ontem. A recomendação segue de outperform, ou acima da média de mercado.