Lucro da B3 fica abaixo do consenso no terceiro trimestre e contabiliza R$ 851 mi

O lucro da B3 (B3SA3) chegou a R$ 851 milhões e não superou o consenso do mercado (R$ 905 milhões).

Embora o indicador tenha sido projetado por especialistas para um crescimento maior, o lucro expandiu 38,7% frente ao 3T18.

O lucro da B3 saltou em reflexo ao aumento das receitas nos mercados de renda fixa e variável no trimestre.

Além disso, o lucro líquido ajustado da operadora brasileira de infraestrutura de mercado foi de R$ 719,8 milhões (+54,6% anual).

Sua receita líquida contabilizou R$ 1,706 bilhão e superou a projeção do mercado de R$ 1,555 bilhão para o período.

Em consonância com os avanços da Bolsa de Valores, seu Ebitda recorrente chegou a R$ 1,109 bilhão, avanço de 42,3%.

Para o presidente da instituição, Gilson Finkelsztain, o terceiro trimestre foi marcado pelo elevado nível de atividade dos clientes.

Finkelsztain falou dos volumes recordes em ações e derivativos listados, assim como dos R$ 70 bilhões em ofertas de ações.

“Em cenário de perspectivas positivas após a aprovação da reforma da previdência, continuamos focados na execução de nossa estratégia”, ponderou.

O presidente falou ainda sobre o desenvolvimento de novos produtos e sistemas alinhados com as necessidades dos clientes.

Em nota, ele disse que isso fortalece a excelência operacional da B3 e aprimora suas políticas de preços e incentivos.

Adicionalmente, o vice-presidente Financeiro, Corporativo e de Relações com Investidores da operadora brasileira de infraestrutura de mercado, Daniel Sonder, destacou que o desempenho operacional no trimestre se traduziu em uma forte geração de caixa.

Para tal, informou a distribuição de R$ 385,0 milhões em juros sobre capital próprio e R$264,8 milhões em dividendos.

No total, foram distribuídos R$1,6 bilhão até outubro, de acordo com a fala de Sonder.