Petrobras, Braskem e Marisa: veja as principais notícias corporativas do dia

Petrobras – Hoje o comando da Petrobras deve encontrar um grupo de investidores em Londres, no chamado Investor Day da companhia – passo fundamental para atrair uma gama mais variada de fundos no capital da estatal. A companhia vai fazer uma nova oferta de venda de ações da BR Distribuidora, que será realizada no momento mais oportuno no próximo ano, disse o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, ao jornal Valor Econômico. Até 2024, a estatal pretende vender de US$20 bilhões a US$30 bilhões em ativos. Ele espera que as ofertas vinculantes para a venda de quatro refinarias cheguem à estatal nos próximos dias. A conferir.

E o BB? – Mesmo assim, muitos no mercado se mantêm reticentes em relação à venda de outras grandes estatais, como o Banco do Brasil, ou de subsidiárias destes. A privatização do BB permanece “sendo um sonho da equipe econômica”, mas não há um sinal verde de Bolsonaro e nem do Congresso para concretizá-lo, de acordo com matéria do Valor. Ontem, o papel do maior banco estatal da América Latina disparou 2%, com especulação de que uma venda do BB é cada vez mais possível. Bolsonaro, desde a transição de governo, resiste à inclusão do BB e da Caixa Econômica na lista de instituições financeiras privatizáveis. O papel deve reagir hoje à matéria.

Braskem – Após matéria da Reuters afirmar ontem que a Odebrecht teria conseguido adiar por dois anos a venda da Braskem, a empresa disse hoje que foi informada pela controladora Odebrecht que não foram decididos com os credores do grupo nem os termos da venda da participação da Odebrecht na companhia, nem os termos de distribuição de dividendos da mesma. A Braskem Idesa, subsidiária da brasileira no México, conseguiu levantar US$900 milhões em seu debut no mercado internacional de dívida. A partir de hoje, segundo matéria do O Globo, a Petrobras aumenta em 2% o preço do diesel nas refinarias.

Saneamento – O Estado de S. Paulo disse que o Marco do Saneamento pode ter sua votação adiada para o ano que vem, citando pressão de deputados do Nordeste e de Goiás para que o governo dê garantia de sobrevida aos contratos do programa fechados sem licitação, que devem proibidos no projeto novo. O Ministério da Ciência e Tecnologia prepara um pacote de medidas legislativas e regulatórias para destravar os investimentos no setor de telecomunicações. A iniciativa deve ser apresentada em janeiro. Coluna do O Globo disse que Petrobras e Odebrecht apoiam a nomeação de José Mauro Carneiro da Cunha para o conselho da Braskem.

Embraer e Boeing – Segundo a Reuters, um grupo de acionistas minoritários da Embraer pediu para o Cade abrir inquérito sobre o acordo de associação da empresa com a Boeing, argumentando que ambas são concorrentes e que há em processo um projeto de eliminação de competição.

Aquisição e oferta subsequente – A Hapvida comprou a Medical, empresa de planos de saúde do interior de São Paulo, por cerca de R$300 milhões – a oitava aquisição da companhia no ano. A Unidas, segundo matéria do Estado de S. Paulo, prepara uma oferta subsequente de ações para este ano, na linha da Aliansce Sonae, a Notre Dame Intermédica e a Marisa – que precifica a própria oferta hoje à noite.