Privatização da Eletrobras deve ser aprovada no primeiro semestre de 2020

Segundo o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, o projeto que permite a privatização da estatal deve ser aprovado no Congresso Nacional, até o final do primeiro semestre de 2020.

Segundo o executivo, os trâmites do PL 5877/2019 serão concluídos antes do processo eleitoral, de forma que as eleições municipais não exercerão qualquer influência sobre os trabalhos.

“Estamos falando em desenvolver o projeto no primeiro semestre. Estamos falando em um prazo adequado. Então o projeto não vai se misturar com a eleição, que vai ser no segundo semestre” – disse Ferreira Junior, em uma palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro.

Quando questionado sobre a demora do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, em escolher um relator para o projeto, ele justificou, sinalizando que a seleção demanda cautela.

“Ele [Maia] está tomando o cuidado necessário para colocar um relator que possa, de fato, fazer deslanchar o projeto” – argumentou o executivo.

Sobre a hipótese de a privatização retornar R$15 bilhões aos cofres públicos, Ferreira Junior mencionou que a União intenciona ficar com 45% da estatal, após todo o processo.

Ele também ressaltou que a companhia passará a analisar alternativas de investimento em outros países da América do Sul, tanto em geração quanto em transmissão de energia.

Mas por enquanto, a capacidade de investimentos da elétrica continuará limitada, com expectativa de aportes de R$3 a R$4 bilhões em 2020.

Na próxima semana, a Eletrobras divulgará ao mercado o plano de negócio e gestão para o quadriênio 2020-2024, que prevê, dentre outros, investimentos em tecnologia nos setores de automação de subestações, repotenciação de hidrelétricas e modernização de ativos de transmissão.