Conheça 7 tipos de investimentos de juros baixos

Os rendimentos de uma aplicação de renda fixa dependem diretamente dos juros do mercado, mais precisamente, da taxa Selic. Ela é reguladora, ou seja, define o quanto de rendimento será obtido. Atualmente, o cenário no Brasil é de juros baixos, o que chama atenção para alguns tipos de investimentos mais específicos.

Estar atento a essas aplicações permite ao investidor aproveitar as melhores oportunidades de ter bons rendimentos. Dessa forma, mesmo em um período de juros menores, é possível obter retornos interessantes, explorando ao máximo as aplicações de renda fixa.

A seguir, veja quais são os 7 tipos de investimentos de juros baixos mais interessantes do mercado e veja como eles podem ter bom desempenho!

1. Letra do Tesouro Nacional (LTN)

A LTN é um título público, ou seja, é emitido pelo Governo Federal. Ela faz parte do Tesouro Direto, plataforma de incentivo aos investimentos que dá à população o acesso a diferentes possibilidades de investir. Nesse caso, em vez de comprar um ativo de uma empresa, o investidor adquire um título oferecido pelo Governo.

A principal característica da LTN é ser prefixada. Nesse tipos de investimentos, o beneficiário já conhece todas as condições da aplicação no momento da compra. Assim, ele já saberá o quanto o LTN vai render ao final do prazo da aplicação, o que significa que o valor dos juros, ainda que baixo, é transparente e objetivo.

2. Letra de Financiamento do Tesouro (LFT)

Outro importante investimento do programa do Tesouro Direto, o LFT tem seu destaque por ser uma aplicação de juros pós-fixados. Nesse caso, o investidor não sabe exatamente qual será o seu rendimento após o prazo limite. Isso acontece devido à taxa de rendimento, que nesse caso, é atrelada a um indicador, a Selic.

Como a variação dessa taxa é diária, o investidor não tem como ter uma expectativa totalmente exata no momento em que opta pela contratação. Naturalmente, isso também pode ser um fator positivo, já que possíveis altas da Selic representam ganhos maiores.

Também não há nenhum risco de perda de capital nessas operações, já que há a garantia do retorno do que foi investido, além dos juros.

3. Nota do Tesouro Nacional — Série B (NTN-B)

Mais um dos tipos de investimentos do Tesouro Direto, o NTN-B é um título em que seu rendimento se dá semestralmente, garantindo uma fonte segura ao investidor. Nessa aplicação, a forma de rendimento é bem específica, o que dá destaque a ela. São considerados o índice IPCA e a inflação como bases para calcular os lucros.

A aplicação contínua no NTN-B dá ao investidor a capacidade de ter um poder de compra potencializado. Isso acontece devido ao fato de o rendimento ficar sempre acima da inflação. Somando isso ao fato do recebimento ser semestral, é uma forma interessante de se investir em cenários de juros baixos, garantindo retornos sólidos.

4. Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

As letras de crédito são tipos de investimentos oferecidos por bancos, com a proposta de financiar alguma atividade de determinado setor. Nesse caso, a LCI é voltada para o mercado imobiliário. O dinheiro captado nessas operações é repassado às empresas do segmento, como forma de incentivo aos seus negócios.

Para os investidores, o rendimento acontece de forma simples e vantajosa. É como se eles emprestassem dinheiro aos bancos para financiar essas atividades. Com juros prefixados, quem compra o LCI sabe exatamente o que receberá ao final do prazo. O rendimento é justamente o percentual determinado pela operação feita.

5. Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

O LCA em quase nada se difere do seu “irmão”, LCI. A única diferença é o mercado com o qual se relaciona. Essa letra de crédito é direcionada ao agronegócio, ou seja, o dinheiro captado é utilizado para incentivar e desenvolver produtores e empresas do setor rural. O investidor aplica e recebe normalmente ao fim do prazo.

Em nada se difere o procedimento do LCA para o LCI. A letra também é adquirida junto de um banco, que paga devidamente os juros de rendimento na data estipulada.

6. Certificados de Operações Estruturadas (COE)

Até aqui você viu boas opções de tipos de investimentos de juros baixos, todos do segmento de renda fixa. No entanto, também há o COE, que é uma alternativa de renda variável, porém, muito recomendada para investidores mais conservadores. Apesar de ser dessa categoria, não há o risco de perda do dinheiro aplicado.

O seu funcionamento é bastante específico e diferente de outras aplicações. Acontece da seguinte forma: o valor aplicado é direcionado a diferentes ativos com um prazo de liquidação determinado, que vai de 2 a 5 anos. Dentro desse tempo, de forma trimestral ou semestral, o desempenho do investimento é analisado.

Durante essa avaliação regular, é observado o número e o valor das ações às quais o montante inicial foi aplicado. Se esse conjunto estiver acima do valor inicial de compra de cada uma delas, o COE finaliza as operações e entrega o rendimento ao investidor.

Em contrapartida, se no final do prazo o COE não atingiu a expectativa de rendimentos, o investidor tem direito a receber todo o capital aplicado. Isso dá mais segurança e estabilidade à operação.

7. Certificados de Depósito Bancário (CDB)

O CDB é mais um dos tipos de investimentos em que o beneficiários “empresta” dinheiro ao banco em troca de um rendimento fixado. Nesse caso, são títulos de dívidas que as instituições têm e repassam ao público. Dessa forma, o investidor ajuda o banco a conduzir suas operações e financiar normalmente suas atividades.

A taxa de referência do rendimento dos CDBs é a CDI, o que faz com que ele seja uma excelente alternativa dentro desse cenário de juros baixos. Além disso, é possível encontrar CDBs com liquidez diária. Isso garante que o investidor, se desejar, possa sacar o seu dinheiro com o rendimento a qualquer momento.

Boas aplicações de juros baixos, além de permitirem lucratividade em períodos de Selic recuada, também geram menos impactos em relação aos descontos de impostos. Assim, esses tipos de investimentos conseguem atender o beneficiário de diversas formas, abrindo ótimas possibilidades!

Que tal receber o seu dossiê financeiro?

Com o seu CPF, consulte agora e sem burocracia sua reputação financeira.

Tenha acesso a todas as informações em único lugar! Com o Data Engine, nós acessamos várias fontes diferentes para você e não apenas SPC/Serasa. Consulte agora!

Qual dessas aplicações você já investiu ou pretende aplicar seu dinheiro? Conte nos comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published.