Previdência privada ou tesouro direto: qual é o mais seguro?

Optar por investir em previdência privada ou tesouro direto é uma decisão importante, que precisa ser tomada com base em informações sólidas e consistentes. Por isso, é essencial buscar conhecimentos sobre cada tipo de investimento, com suas características e vantagens.

Independentemente do perfil e da experiência do investidor, é sempre importante ter um plano bem definido, assim como o controle emocional necessário para fazer uma análise precisa e interpretar as possibilidades de ganhos para a futura aposentadoria. Neste post, explicaremos melhor o assunto. Continue a leitura e tire suas dúvidas!

Como funciona a previdência privada?

previdência privada é um investimento de longo prazo, em que o aplicador realiza depósitos mensais de determinada quantia, com o objetivo de fazer uma espécie de poupança para ser utilizada no momento de sua aposentadoria.

Diferente da previdência social, a previdência privada não tem pagamento obrigatório, sendo que o valor a ser recebido pelo aposentado vai variar de acordo com o montante acumulado ao longo dos anos. Esse tipo de previdência é muito usado como complemento de renda da opção social, uma vez que nem sempre o valor recebido do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) é suficiente para cobrir todas as despesas da família.

O acompanhamento da previdência privada é feito pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), que é um órgão ligado ao governo e que faz a fiscalização desse segmento previdenciário.

Quais são os tipos de planos de previdência privada?

Existem dois modelos de previdência privada: o Plano Gerador de Benefício Definido (PGBL) e o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). A principal diferença entre eles está na maneira como cada um é tributado.

O PGBL é indicado para quem faz a declaração completa, já que permite o abatimento de até 12% do total bruto tributável das aplicações, no momento em que a declaração do Imposto de Renda é feita de maneira anual.

O VGBL, por sua vez, é mais indicado para quem segue o modelo simples ou é isento, já que apresenta uma tributação menor em comparação com o outro modelo. Porém, não é possível ter uma parcela tão alta de abatimento na hora da declaração.

Quais são as fases da previdência privada?

A previdência privada pode ser dividida nas fases de acumulação e recebimento. Na primeira etapa, são realizados os depósitos de acordo com os valores determinados e ao longo do período necessário para a acumulação do valor estimado.

Após o fim desse período, começa a fase de recebimento, em que o investidor passa a receber mensalmente a renda acumulada ao longo dos anos, com as devidas correções e juros.

Quais são as vantagens da previdência privada?

A previdência privada é um investimento acessível, que apresenta vantagens para quem deseja garantir uma renda sustentável no momento da aposentadoria. Entre as principais vantagens dessa modalidade, estão:

  • possibilidade de abatimento do IR;
  • disciplina para poupar e investir, mesmo que de modo forçado pelo compromisso assumido;
  • complemento à previdência social.

Como o tesouro direto funciona?

O tesouro direto corresponde a títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional, comercializados na BM&FBovespa e que têm como objetivo facilitar a compra de títulos públicos federais por pessoas físicas.

De modo simplificado, podemos dizer que, quando um investidor opta pelo tesouro direto, ele está fazendo um “empréstimo” para o governo, que, por sua vez, usa esse dinheiro para custear seus gastos e remunera o credor de acordo com as taxas de juros estabelecidas.

Existem três modalidades diferentes do tesouro direto, cada uma atendendo a um objetivo diferente. São elas:

  • tesouro prefixado;
  • tesouro IPCA+;
  • tesouro Selic.

Tesouro Prefixado

O tesouro direto prefixado é uma modalidade na qual o investidor já sabe desde a primeira aplicação qual vai ser o rendimento bruto anual do título, podendo estimar quanto vai ganhar no vencimento da aplicação.

Esse é o modelo mais arriscado de investimento nos títulos públicos, pois, caso o investidor precise retirar o dinheiro antes do prazo, pode estar sujeito às variações das taxas que ocorrem diariamente, podendo potencializar ou reduzir os lucros.

Tesouro IPCA +

O tesouro IPCA+ tem uma rentabilidade mista, sendo parte dela prefixada e uma parte variável atrelada ao índice IPCA. Tendo isso em vista, o título público pagará ao investidor o percentual da inflação mais uma taxa prefixada.

Quem investe nesse título garante que os seus investimentos estarão sempre acima da inflação, garantindo uma rentabilidade real. Geralmente, esse título é indicado para quem quer investir no tesouro direto como plano de aposentadoria.

Tesouro Selic

O tesouro Selic é o título público ideal para as reservas de emergências, pois tem pouca variação e o seu indexador não apresenta variações constantes, como é o caso da inflação. Em razão disso, é modalidade normalmente procurada por quem deseja menor risco e por quem pode precisar do dinheiro antes do prazo determinado.

Quais são as vantagens do tesouro direto?

Por ser um investimento com grande flexibilidade, o tesouro direto é uma ótima opção para quem está em busca de bons retornos. Entre as principais vantagens dessa modalidade de aplicação, estão:

  • boa rentabilidade;
  • acessibilidade de valor;
  • baixo risco;
  • liquidez diária;
  • possibilidade de investir em títulos de curto prazo, médio ou longo;
  • rentabilidade que pode variar de acordo com a inflação, dependendo do tipo de tesouro escolhido;
  • baixas taxas de administração;
  • possibilidade de uso como margem de garantia para investimentos em ações na Bolsa de Valores.

Previdência privada ou tesouro direto?

Para escolher entre previdência privada ou tesouro direto, devemos analisar primeiro quais são os objetivos do investidor. Objetivos de curto e médio prazo não se encaixam em planos previdenciários, portanto, a escolha deve ser investir no tesouro direto.

Quando o objetivo é de longo prazo, com foco em complementar a renda da previdência social, devemos analisar tanto a previdência privada quanto o tesouro direto, pois ambos podem entregar um bom desempenho. Para isso, vale a pena conferir a diferença de rentabilidade entre as opções, as taxas aplicadas, cobrança de imposto de renda e facilidade para investir.

Rentabilidade

Quanto à rentabilidade, o tesouro direto normalmente entrega maiores valores do que as previdências privadas, seja PGBL ou VGBL. O motivo é que, normalmente, as taxas de administração aplicadas nas previdências privadas são superiores a 0,5% ao ano, enquanto as taxas do tesouro direto ficam abaixo de 0,3% ao ano.

Estimar a rentabilidade da previdência privada é algo difícil, pois cada banco e corretora pode oferecer diversos planos diferentes, misturando renda fixa e variável. Assim, uma dica é comparar os planos oferecidos pelos quais você tem maior interesse com o tesouro direto.

A rentabilidade do tesouro direto varia de acordo com a economia do Brasil e, atualmente, existem títulos do tesouro IPCA+ que pagam a inflação mais 3,76% ao ano. Os tesouros prefixados chegam a pagar 7,14% ao ano.

Tributação

Seja da previdência privada, seja do tesouro direto, o rendimento depende também da tributação dos títulos. Disponível no site do tesouro direto, a informação referente à rentabilidade dos títulos públicos é a rentabilidade bruta, sem considerar o abatimento do imposto de renda. O mesmo acontece para as previdências privadas.

O imposto de renda no tesouro direto incide somente sobre os lucros e apresenta um sistema regressivo de tributação:

  • até 180 dias — 22,5% de imposto;
  • entre 181 e 360 dias — 20%;
  • de 361 até 720 dias — 17,5%;
  • acima de 720 dias — 15%.

A previdência privada tem dois sistemas de cobrança de impostos: regressivo definitivo e progressivo compensável.

  • regressivo definitivo: inicia com uma tributação de 35%, reduzindo 5% a cada ano, até uma taxa mínima de 10%;
  • progressivo compensável: segue a tabela progressiva de imposto de renda, com alíquota mínima de 0% e máxima de 27,5%.

Vale ressaltar que, na previdência privada, o imposto de renda pode incidir somente em cima dos lucros (VGBL), ou sobre o valor total de patrimônio mais os lucros (PGBL).

Facilidade para investir

Um ponto crucial na escolha entre previdência privada ou tesouro direto é a facilidade para investir. Os investimentos em títulos públicos podem ser feitos a partir de R$30,00 e, nas previdências privadas, o valor inicial gira em torno de R$500,00 a R$1.000,00. Porém, a vantagem é que muitos planos de previdência privada fazem o desconto desse valor direto do salário, eliminando os riscos de você não investir esse dinheiro na sua previdência.

Outra questão importante é que as previdências privadas costumam ser oferecidas pelos bancos, e você pode ter um atendimento diferenciado. Com o tesouro direto, é possível fazer o investimento pela internet, sem precisar se dirigir a uma agência.

Quando o assunto é o nosso dinheiro, devemos estar sempre atentos e estudar muito antes de investir. Muitas vezes, é interessante contar com a ajuda de profissionais especializados, que podem nos auxiliar a escolher os melhores investimentos de acordo com nossos perfis e objetivos.

No que se refere aos investimentos no tesouro direto ou na previdência privada, pode-se afirmar que ambos constituem investimentos seguros e que garantem bom retornos. Contudo, é fundamental sempre estar atento às taxas e tributações.

Seja qual for a decisão tomada, no entanto, o importante é adotar um bom planejamento financeiro e manter a disciplina necessária para cumprir com rigor cada etapa, a fim de ter mais segurança no futuro próximo, ou mesmo na tão merecida aposentadoria.

O ideal é manter bons hábitos desde cedo, mas nunca é tarde para começar. Para isso, recomenda-se investir em educação financeira e buscar constantemente pelo conhecimento sobre como lidar com o dinheiro e fazer com que ele trabalhe a seu favor.

Agora que você já sabe as características, indicações e vantagens de cada tipo de investimento, pode optar pela previdência privada ou tesouro direto de acordo com as suas possibilidades e expectativas de aposentadoria. Com um bom planejamento e visão estratégica, é possível obter bons retornos.

Gostou do conteúdo? Então, confira aqui o nosso guia definitivo e aprofunde ainda mais seus conhecimentos sobre a previdência privada!

Leave a Reply

Your email address will not be published.