Afinal, qual o impacto do spread bancário nas decisões de investimento?

Fator importante para o desenvolvimento da economia nacional, o spread bancário corresponde à diferença entre as taxas de juros cobradas pelos bancos nos empréstimos e a remuneração que ele retorna aos aplicadores na hora de captar recursos nesse mesmo valor.

É comum que muitas pessoas tenham dúvidas em relação à formação do spread bancário, uma vez que a diferença entre os valores pagos e cobrados representa um número significativo, mesmo em momentos de diminuição da taxa básica de juros (Selic).

Neste post, vamos falar sobre o tema e mostrar a relevância de se entender o que é e por que o spread bancário é tão importante na hora de escolher as melhores opções de investimentos de acordo com os recursos disponíveis e as expectativas. Continue a leitura e acompanhe!

Entenda melhor o spread bancário

Para compreender melhor o funcionamento do spread bancário, é preciso entender que o banco corresponde a uma espécie de intermediário entre quem tem dinheiro sobrando e deseja poupar e/ou investir e quem está em situação inversa e, por isso, precisa pegar dinheiro emprestado.

Para exemplificar, podemos pensar na ideia de um lojista, que adquire a mercadoria do produtor e repassa o produto para o consumidor final por um valor maior, a fim de obter lucro sobre a negociação.

No caso do banco, ele pega o dinheiro emprestado de quem deseja investir ou poupar e paga determinado valor de captação. Posteriormente, ele disponibiliza essa quantia com as devidas taxas e margens de ganho para quem precisa de crédito. Essa relação financeira nada mais é do que o spread bancário.

Compreenda como o spread bancário é formado

O cálculo do spread bancário é feito com base em uma série de fatores, uma vez que ele pode variar tanto devido a cenários financeiros externos quanto em razão das taxas cobradas pela própria instituição. Entre os principais pontos que influenciam sua formação, estão:

  • custo de captação — calculado a partir do valor da taxa SELIC;
  • custo fiscal — corresponde aos impostos e ao compulsório cobrado pelo governo;
  • custo de risco — é definido com base nas previsões de inadimplência ou perdas;
  • despesas com custos administrativos;
  • margem de lucro.

Para exemplificar, vamos pensar em uma grande instituição que consiga fazer captação de recursos com valores correspondentes a 85% do CDI. Com isso, o banco vai captar aproximadamente 5,95% ao ano.

Posteriormente, a mesma instituição realiza um empréstimo desse valor captado com uma taxa de juros de 22% ao ano. Nesse caso, o spread bancário do banco será de 16,05, que corresponde a 22,00 – 5,95.

Por que o spread bancário é importante para decisões de investimentos?

O valor do spread bancário tem influência direta sobre os valores e retornos dos investimentos, por isso, é tão importante estar sempre atento a ele na hora de tomar a decisão de onde aplicar o dinheiro.

Com a sofisticação constante do mercado financeiro e a constante evolução das ferramentas tecnológicas nesse segmento, hoje em dia, é possível encontrar soluções que agilizem as ações e possibilitem a realização de investimentos com eficiência.

Neste artigo, falamos sobre o que é spread bancário e qual o seu impacto para investidores que estejam em busca de resultados lucrativos e confiáveis. Entender todas as possibilidades é fundamental para otimizar os recursos e potencializar os retornos positivos.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o tema, entre em contato conosco e veja mais sobre nossas soluções para investir cada vez melhor.