Bolsas da Ásia fecham em alta mas indicadores chineses renovam as preocupações

As Bolsas da Ásia avançaram no pregão desta quarta-feira (14), refletindo o otimismo com a trégua no conflito comercial entre Estados Unidos e China.

Na sessão de ontem, o governo americano anunciou sua decisão de adiar para 15 de dezembro a imposição de tarifas sobre alguns produtos chineses, como eletrônicos, roupas e calçados.

Washington também determinou a remoção de algumas mercadorias da lista de bens que serão tarifados em 10% a partir do dia 1º de setembro.

Os investidores ficaram animados com a iniciativa dos EUA em retomar as negociações com Pequim e o fato trouxe novo fôlego aos mercados.

Porém, a divulgação de indicadores do gigante asiático renovou as preocupações quanto ao ritmo de desaceleração da segunda maior economia do mundo.

No mês de julho, a produção industrial da China se expandiu 4,8% na base anual, ligeiramente abaixo das projeções dos analistas, que sinalizavam para aumento de 5,9%.

No mesmo período, as vendas no varejo subiram 7,6%, contrariando as previsões de aumento em 8,5%.

O fato limitou o desempenho dos índices, pois evidenciou os impactos negativos da guerra comercial sino-americana no desenvolvimento das atividades chinesas.

Mercados da China e Japão

Na cidade de Xangai, o Xangai Composto subiu 0,42% aos 2.808 pontos e em Shenzhen, o SZSE Component avançou 0,72% aos 8.966 pontos.

O yuan recuou 0,4% contra o dólar americano, sendo cotado a 7,0360, permanecendo abaixo do nível psicológico determinado pelo Banco Central chinês.

Na Bolsa japonesa, o Nikkei 225 teve alta de 0,98% aos 20.655 pontos, com as empresas ligadas a equipamentos eletrônicos e fabricação de semicondutores liderando os ganhos.

Com destaque para as companhias de maior peso no índice como Taiyo Yuden (+6,3%), Murata Manufacturing (+3,3%), TDK Corp. (+4,3%), Screen Holdings (+6%) e Tokyo Electron (+1,1%).

Demais Bolsas asiáticas

Na Coreia do Sul, o Kospi aumentou 0,65% aos 1.938 pontos, com as ações de sua principal blue chip, Samsung Electronics, avançando 1,63%.

No mercado acionário de Hong Kong, o índice Hang Seng registrou variação positiva de 0,08% aos 25.302 pontos, depois de dois dias de interdição no aeroporto local devido às manifestações.

Já somam dez semanas de confrontos entre a população e as forças policiais, mergulhando o centro financeiro asiático na pior crise desde que o território foi devolvido pela Grã-Bretanha ao domínio chinês em 1997.

Em Jacarta, o IDX Composite valorizou 0,91% aos 6.267 pontos e na Índia, o índice Nifty 50 adicionou 0,95% aos 11.029 pontos.

Mercados da Oceania

Na Austrália, o S&P ASX 200, da Bolsa de Sidney, cresceu 0,42% aos 6.595 pontos, impulsionado pelas companhias do setor petrolífero.

No sentido contrário, o neozelandês NZX 50 anotou variação negativa de 0,05% aos 10.849 pontos, com os setores de tecnologia e energia liderando a baixa da sessão.

      Cidade Índice 13/08 14/08
Sidney S&P ASX 200 -0,33% +0,42%
Wellington NZX 50 -0,17% -0,05%
Hong Kong Hang Seng -2,10% +0,08%
Seul Kospi -0,85% +0,65%
Tóquio Nikkei 225 -1,11% +0,98%
Mumbai Nifty 50 -1,65% +0,95%
Jacarta IDX Composite -0,63% +0,91%
Xangai Xangai Composto -0,63% +0,42%
Shenzhen SZSE Component -0,85% +0,72%