Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em alta de olho no BCE e disputa EUA-China

As Bolsas da Ásia encerraram o pregão desta quarta-feira (11) majoritariamente em alta, anotando perdas na China e na Nova Zelândia.

Os investidores continuaram atentos aos movimentos do Banco Central Europeu, que realizará sua reunião de política monetária nesta quinta-feira.

Segundo as previsões dos analistas, a autoridade europeia deverá anunciar um pacote amplo de medidas para impulsionar o crescimento econômico e os níveis de inflação na zona do euro.

A grande aposta para o momento é o corte na taxa básica de juros praticada no velho continente e a retomada das compras mensais de ativos para acelerar as atividades.

Também influenciaram as expectativas do mercado as incertezas que rondam a disputa comercial entre Estados Unidos e China e o progresso da próxima reunião entre os dois países.

Na noite de ontem, o diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, reduziu as expectativas para a nova rodada de negociações, que acontecerá em Washington, no início de outubro.

Em entrevista à emissora CNBC, ele pediu que para investidores, empresários e o público em geral serem pacientes em relação ao conflito tarifário travado contra o gigante asiático.

Porém, na madrugada de hoje, o governo chinês declarou que vai isentar de tarifas extras na importação cerca de 16 tipos de produtos dos EUA, já valendo a partir da próxima semana.

A estratégia de Pequim é melhorar as condições oferecidas ao governo americano para fechar um acordo satisfatório para ambas as partes. Ao que tudo indica, parece que a medida estava sendo gestada desde maio.

Além disso, a China aplicou um novo estímulo à sua economia, eliminando as cotas dos esquemas de investimento conhecidos como QFII e RQFII, visando atrair mais recursos estrangeiros para o mercado de capitais.

Mercados da China e Japão

Na China Continental, o Xangai Composto recuou 0,41% aos 3.008 pontos e em Shenzhen, o SZSE Component, que apresenta menor abrangência, desabou 1,12% aos 9.853 pontos.

Em Tóquio, o Nikkei 225 avançou 0,95% aos 21.597 pontos, apoiado pela valorização das empresas fornecedoras da Apple, como Murata Manufacturing (+2,26%), Alps Alpine (+3,57%) e a Minebea Mitsumi (+1,93%).

O dólar americano subiu 0,2% contra o iene japonês, fechando a 107,795 ienes, com o mercado otimista com as negociações da guerra comercial sino-americana.

Demais Bolsas asiáticas

Na Bolsa de Hong Kong, o Hang Seng disparou 1,78% aos 27.159 pontos, após os ativistas cancelarem os protestos contra o governo em homenagem aos ataques de 11 de setembro nos EUA.

Na capital Seul, o Kospi subiu 0,84% aos 2.049 pontos, sustentado pelas ações do setor de tecnologia e fabricação de componentes eletrônicos.

Em Mumbai, a volta do feriado foi positiva, com o Nifty 50 apreciando 0,30% aos 11.035 pontos e na Indonésia, o IDX Composite saltou 0,71% aos 6.381 pontos.

Mercados da Oceania

Na cidade de Sidney, o S&P ASX 200 ganhou 0,36% aos 6.638 pontos, impulsionado pelas ações do setor bancário e das mineradoras.

Já em Wellington, o NZX 50 fechou com forte queda de 1,95% aos 10.924 pontos, pressionado pela baixa dos setores de utilidades, serviços e energia, que correspondem a uma boa fatia do índice geral.

 

 Cidade Índice 10/09 11/09
Sidney S&P ASX 200 -0,51% +0,36%
Wellington NZX 50 -0,54% -1,95%
Hong Kong Hang Seng +0,01% +1,78%
Seul Kospi +0,62% +0,84%
Tóquio Nikkei 225 +0,35% +0,96%
Mumbai Nifty 50 Não operou +0,30%
Jacarta IDX Composite +0,17% +0,71%
Xangai Xangai Composto -0,12% -0,41%
Shenzhen SZSE Component -0,37% -1,12%