Calendário econômico global; Brasil na Índia e em Davos; Bolsonaro acena novamente para reeleição

O presidente Jair Bolsonaro acenou mais uma vez para sua candidatura à reeleição em 2022. Ao vivo em uma de suas redes sociais, ele afirmou ontem (18) que os números indicam uma reação da economia. Acompanhado de alguns sacrifícios, isso “não é uma lua de mel”, afirmou, “é um casamento, de quatro ou oito anos”. Essa não foi a primeira vez que o presidente deu indícios de que se candidataria para tentar se reeleger.

Paralelamente, Bolsonaro se prepara assinar, em média, 10 a 12 acordos ligados ao comércio e investimentos na Índia. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o presidente da República viajará para Nova Delhi entre 24 e 27. Lá, sua principal agenda será promover a produção do biocombustível no país asiático.

Em contrapartida, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, vai representar o Brasil no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Guedes planeja defender, sobretudo, as reformas implementadas pelo governo Bolsonaro como responsáveis por tirar o Brasil do “abismo fiscal”. Outros nomes importantes são aguardados no encontro, entre eles o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel, assim como a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde.

Calendário econômico global

Na semana anterior, o mercado acompanhou uma série de resultados positivos no calendário econômico global, fato que contribuiu para reverter o mau humor do início da semana. Agora, os investidores se preparam para monitorar uma nova bateria de números importantes, entre eles o IPCA-15 de janeiro.

Considerado uma prévia da inflação oficial do país, o indicador, que será publicado na quinta-feira (23), vai ajudar a balizar as projeções após os dados mais fortes que o esperado em 2019.

Outros indicadores locais muito aguardados são a 2ª prévia do IGP-M, mais uma quadrissemana do IPC-S, a divulgação do Plano Anual de Financiamento da dívida pública e possivelmente os números de emprego relacionados ao mês de dezembro 2019 do Caged.

Dando continuidade aos números mais aguardados no calendário econômico global, os bancos centrais da Europa e do Japão vão decidir sobre os juros locais. Em ambos os casos, não há projeções de cortes nas taxas. Apesar disso, os investidores vão acompanhar as sinalizações das respectivas autoridades monetárias após as decisões. Amanhã a liquidez do mercado deve ser reduzida em função do feriado de dia de Martin Luther King nos EUA.