Com turbulências no cenário político e tensões EUA-China, Ibovespa opera em queda

O pregão de hoje começou em tom negativo, com o Ibovespa operando em queda, sob a influência de diferentes tipos de catalisadores. No exterior, as Bolsas internacionais recuavam em meio à divulgação de dados mais fracos da economia chinesa e o aumento das preocupações sobre a guerra sino-americana.

No cenário doméstico, as turbulências na política indicavam que o governo não está indo bem no relacionamento junto aos parlamentares. Na sessão de ontem, o Congresso votou pela convocação do Ministro da Educação, Abraham Weintraub, para esclarecer sobre o corte nas verbas da educação.

A situação gerou grande repercussão, já que a ida do ministro à Câmara, que representou uma derrota ao governo, foi articulada por líderes dos partidos do chamado “Centrão”, que teoricamente seriam “aliados” de Jair Bolsonaro.

Um outro fator agravante à crise política é a mobilização nacional que está acontecendo hoje em diversas cidades, com a realização de protestos de diferentes setores da sociedade contra a reforma da Previdência e as medidas de contingenciamento nas instituições públicas de educação.

Nesse contexto, às 12h16 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira tinha queda de 0,76%, aos 91.416 pontos, registrando um giro financeiro de R$4,583 bilhões.

Dólar sobe a R$4 com cenário político adverso

Depois de ter batido em R$4,02 na máxima do dia, o dólar comercial desacelerou os ganhos, mas ainda mostra viés de alta. Com o aumento das tensões no cenário político e as incertezas do mercado externo, a divisa americana ganhava terreno na paridade contra as principais moedas emergentes.

Ás 12h16 (horário de Brasília), o dólar valorizava 0,60% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$4, em uma sessão que predominava a aversão ao risco. O mercado não tem visto com bons olhos as articulações do governo Bolsonaro e, por isso, há um movimento intenso de busca por proteção.

Os contratos de juros futuros apresentavam elevação nas taxas ao longo de toda a curva a termo, com os investidores reagindo à paralisação nacional contra os cortes nas verbas destinadas à educação e ao resultado decepcionante do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR) de março.

A atividade econômica brasileira recuou novamente em março, registrando uma baixa de 0,28%, na série com ajuste sazonal. O dado veio em linha com as projeções dos especialistas, que previram uma redução no intervalo de 0 a 1%.

O DI com vencimento para setembro/2020 subia 0,30%, sendo negociado a 6,67% (6,65% no ajuste anterior), o DI para junho/2023 aumentava 0,37%, sendo comercializado a 8,21% (8,18% no ajuste anterior) e o DI para dezembro/2025 disparava 1,26%, sendo vendido a 8,82% (8,74% no ajuste anterior).

Noticiário Corporativo:

Vale (VALE3) – Conforme notícia divulgada pelo Valor, os dirigentes da Vale estão estudando aumentar o volume de produção na Serra Sul de Carajás, no estado do Pará. O objetivo seria expandir a extração de minério de ferro para alcançar 150 milhões de toneladas até 2020.

Eduardo Bartolomeo, atual presidente da mineradora, teria divulgado a informação em um evento com investidores e acionistas na cidade de Barcelona, na Espanha, explicando que a mudança representaria um avanço de até 70% da produção, que atualmente está no patamar de 90 milhões de toneladas.

Comportamento das ações na B3

As ações de maior liquidez da B3 operavam majoritariamente em queda, com alguns setores exponenciando perdas. Com destaque para as companhias que mais desvalorizavam          :

  • Gol (GOLL4) -3,60%
  • Kroton (KROT3) -7,73%
  • Azul (AZULL4) -3,19%
  • Embraer (EMBR3) -3,33%
COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3) -1,09% Vale (VALE3) +1,09%
Petrobras (PETR4) -0,81% Embraer (EMBR3) -3,33%
Eletrobras (ELET3) -0,19% Banco do Brasil (BBAS3) -1,06%
Eletrobras (ELET6) +0,39% Cemig (CMIG4) -0,82%

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3) +0,07% Usiminas (USIM3) -1,47%
Santander (SANB11) -0,69% CSN (CSNA3) -1,19%
Bradesco (BBDC3) -0,79% Gerdau (GGBR4) -0,72%