Exterior ameno deve permear sentimento no bolsa; fique de olho em Weg, Ambev, elétricas

Os mercados acordam hoje confiantes no sucesso do plano do Federal Reserve, que deve quebrar os entraves à liquidez no mercado interbancário americano com a compra ilimitada de títulos públicos, corporativos e hipotecários. Também, permeia o sentimento o otimismo com a passagem do projeto de emergência econômica nos Estados Unidos, que vossa a mitigar os efeitos do coronavírus na maior economia do planeta. O humor vem bom desde o pregão asiático: o índice da bolsa de Tóquio, o Nikkei, disparou hoje 7,3%, enquanto os de Hong Kong e Sydney ganharam pelo menos 3%. Também brilhou o índice Kospi, de Seul, que disparou 9%, depois que o governo implementou novas medidas de estímulo para a economia e anunciou que que pretende levar equilíbrio aos mercados financeiros.

Também anima a volta da alta do preço do petróleo, que ontem já fechou em alta, reagindo à fala do secretário da Energia dos Estados Unidos, Dan Brouillette, que afirmou ser possível firmar uma aliança com a Arábia Saudita para tentar equilibrar os preços no mercado. Seus comentários surgiram depois que o comissário do Texas Railroad, a agência que regula a energia do Texas, ter sido convidado para estar presente na reunião da Opep+, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo mais os aliados, em junho. Os preços do minério de ferro, com a volta da confiança, fecharam em alta de 3,58%. O bom humor é sustentado ainda pela informação de que a China se prepara para aliviar o bloqueio em Wuhan, onde o coronavírus supostamente teve origem, e o JPMorgan informar que as vendas frenéticas de ações estão perto do fim.

Já no noticiário corporativo local, entre outras novidades, a Weg reduziu em 50% os funcionários presenciais, a Cia Hering fechará todas lojas físicas, a Ambev retirou a projeção de EBITDA do primeiro trimestre, a Gol manterá apenas 50 voos diários, enquanto os shoppings anunciaram que vão suspender o pagamento de aluguel aos lojistas durante a quarentena. O jornal valor Econômico disse que o governo cogita suspender reajuste tarifários da conta da luz e dar desconto aos consumidores. (Bárbara Leite/GPB)