Ibovespa opera em queda com eleições no Reino Unido e divulgação de indicadores locais

O pregão de hoje começou em tom negativo, com o Ibovespa oscilando em queda desde a abertura das negociações.

As notícias do cenário externo protagonizavam as movimentações do mercado, pressionando a agenda local enfraquecida devido ao recesso parlamentar.

No Reino Unido, o ex-prefeito de Londres e firme defensor do Brexit, Boris Johnson, foi eleito como primeiro-ministro britânico pelo Partido Conservador.

Enquanto isso, os investidores repercutiam os resultados corporativos das empresas americanas e o acordo anunciado pelo presidente Donald Trump, para suspender o teto da dívida pública dos Estados Unidos.

Por aqui, as atenções estão concentradas na cerimônia de abertura do Mercado de Gás, um dos projetos do governo que visa oferecer ao país um “choque de energia barata”.

Outro ponto que acentuou o ajuste de expectativas foi a divulgação dos indicadores de julho, mostrando que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) subiu apenas 0,09%, acumulando alta de 2,42% em 12 meses.

Com esse dado, aumentam as apostas em um corte mais robusto na taxa Selic já na próxima reunião de política monetária, uma vez que os níveis de inflação programada estão consideravelmente abaixo da meta.

Os investidores estão precificando uma redução na taxa de juros em torno de 0,50% no curto prazo, mas com a tendência de cair ainda mais até o final de 2019.

Nesse contexto, às 12h07 (horário de Brasília), o Ibovespa recuava 0,30%, aos 104.641 pontos, registrando um volume financeiro de R$3,069 bilhões.

Dólar salta a R$3,76 com redução de expectativas pela reunião do Fed

Com o clima adverso no exterior, o dólar se fortalecia frente às principais moedas emergentes, refletindo a redução das expectativas com o Federal Reserve.

Depois dos pronunciamentos de diversos membros da autoridade monetária dos EUA, os investidores estão ajustando posições, apostando na redução de apenas 0,25% na taxa básica de juros do país.

Considerando a atual conjuntura na maior economia do mundo, o mercado está precificando um Fed mais cauteloso, porém, consciente da necessidade de intervenção para apoiar a expansão das atividades.

Por volta das 12h07 (horário de Brasília), o dólar comercial avançava 0,78% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$3,7680 na venda.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros recuavam acompanhando as perspectivas trazidas pelos indicadores locais.

Os dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) de julho mostraram um aumento de apenas 0,09%, vindo abaixo das projeções dos analistas, que indicavam alta de 0,13%.

Com isso, o mercado renovou as apostas de que na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), haverá uma redução expressiva da taxa Selic, ocasionando a retirada do prêmio de risco dos ativos cambiais.

O DI abril/2020 declinava 0,73%, sendo negociado a 5,46% (5,49% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2025 recuava 1,15%, sendo vendido a 6,88% (6,94% no ajuste anterior).

Noticiário Corporativo

Profarma (PFRM3)A Profarma divulgou os resultados corporativos do segundo trimestre registrando um lucro líquido de R$1,2 milhão, o que equivale a uma queda de 20% em relação ao mesmo período do ano passado.

O Ebtida somou R$50,3 milhões, revelando um aumento de 8,8% na comparação anual, enquanto a receita líquida avançou 12,4%, alcançando o montante de R$1,134 bilhão.

Em relatório, o Brasil Plural avaliou os balanços como positivos, destacando a melhora na dinâmica comercial e nas margens da companhia, e reiterou a classificação das ações em “Overweight”, no preço-alvo de R$5,50.

Ultrapar (UGPA) – O Bradesco BBI elevou a classificação das ações da Ultrapar, que passaram de “Neutral” para “Outperform”, no preço-alvo de R$26, aplicando um up side de 33% sobre a última cotação de R$19,55.

Conforme análise do banco, com a expectativa de um crescimento econômico mais sólido em 2020, as atividades da companhia devem se expandir em até 2,2% nos próximos três anos.

“Sabemos como a Ultrapar está passando por uma mudança em sua estratégia para se ajustar a um ambiente competitivo mais difícil, no entanto, quando o cenário macro se tornar mais favorável, as perspectivas para nomes como a Ultrapar vão melhorar” – explicou o analista Vicente Falanga.

COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3) -0,20% Vale (VALE3) -0,93%
Petrobras (PETR4) -0,25% Embraer (EMBR3) +0,63%
Eletrobras (ELET3) +0,52% Banco do Brasil (BBAS3) -0,81%
Eletrobras (ELET6) -0,08% Cemig (CMIG4) +1,18%

E-BOOK GUIA COMPLETO PARA OBTER SUCESSO NOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES NA BOLSA DE VALORES

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3) -0,76% Usiminas (USIM3) -0,10%
Santander (SANB11) +0,60% CSN (CSNA3) -1,09%
Bradesco (BBDC3) +0,23% Gerdau (GGBR4) -0,07%