Ibovespa renova a máxima histórica acima dos 119 mil com anúncio da OMS e recuperação dos bancos

O Ibovespa renovou a máxima histórica de fechamento nesta quinta-feira (23), superando os 119 mil pontos com a ajuda do setor bancário e a declaração da Organização Mundial da Saúde.

Depois de passar a maior parte do dia em território negativo, o índice geral mudou de direção após a OMS anunciar que é muito cedo para classificar o coronavírus como uma emergência internacional.

Segundo o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom, o Comitê de Emergência ficou dividido em relação à ameaça, por isso, os integrantes decidiram manter cautela.

Apesar de o número de vítimas ter aumentado para 18 mortos e 650 casos confirmados de infecção, o governo da China garantiu que os esforços para a contenção da doença estão surtindo efeito.

As autoridades da cidade de Wuhan, local onde iniciou o surto de coronavírus, decidiram isolar a região, suspendendo temporariamente os serviços de ônibus, trens e aeroportos.

O Ministério das Finanças chinês anunciou hoje a liberação de 1 bilhão de yuans (US$144 milhões) para auxiliar a província de Hubei a estruturar as operações de combate à proliferação do vírus.

Confiantes de que os poderes públicos do gigante asiático vão conseguir conter a disseminação da doença, os investidores foram às compras nesta sessão, impulsionando os mercados internacionais.

Por aqui, ficou no radar a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, no Fórum Econômico Mundial, que aconteceu em Davos, na Suíça.

Fazendo uma análise geral do evento, ele comentou que a elite política e empresarial reconheceu que o Brasil é a nova fonte de crescimento da economia global.

O ministro pontuou que, na última edição do Fórum, a imagem do país estava tão arranhada que a expectativa dos investidores era quase zero, porém, a reforma da previdência e a política de privatizações mostraram que o cenário agora é outro.

No mercado local, o índice geral apresentou um bom desempenho graças à recuperação do setor bancário, que sozinho, é responsável por mais de 21% de sua composição.

As companhias Itaú Unibanco (ITUB3), Santander (SANB11) e Bradesco (BBDC4) ficaram positivas, mas Braskem (BRKM5), Gol (GOLL4) e Banco do Brasil (BBAS3) lideraram os ganhos.

Como resultado, a Bolsa brasileira avançou 0,96% aos 119.527 pontos, com um volume financeiro de R$19,316 bilhões.

Dólar cai a R$4,16 com IPCA e captações externas

O dólar comercial recuou 0,22% nesta quinta-feira (23), fechando na cotação de R$4,1660 na venda, longe das máximas registradas no dia.

As captações de empresas brasileiras no exterior e o avanço do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) ditaram os rumos do câmbio local.

As perspectivas de melhora do fluxo de ingressos de moedas estrangeiras pressionaram a divisa americana, levando o real a figurar entre as sete moedas que apreciaram na sessão.

As demais moedas emergentes desvalorizaram, refletindo o aumento do clima de aversão ao risco causado pelo aumento número de mortos e infectados pelo coronavírus, na China.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o IPCA-15, mostrando alta de 0,71% em janeiro, mas leve desaceleração em relação a dezembro.

O resultado ficou em linha com as expectativas dos economistas, evidenciando que os preços de alguns produtos, como alimentos e bebidas, voltaram aos patamares originais.

Com a queda de hoje, o dólar praticamente zera a alta acumulada na semana, porém, segue anotando avanço de 3,89% ao ano, na paridade contra o real.

Juros Futuros

Na renda fixa, os contratos de juros futuros encerraram com elevação nas taxas negociadas no mercado futuro, esboçando um movimento de adição de prêmio de risco devido à alta no IPCA-15.

Embora os DIs tenham registrado aumento, o avanço foi limitado pelas falas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, ao afirmar que a alta na inflação do ano passado não influenciou o comportamento dos preços este ano.

Segundo os analistas, esse é um forte indício de que o ambiente será benigno para os níveis de inflação, o que reforça a possibilidade de redução de 0,25% na taxa Selic.

O DI outubro/2020 subiu para 4,24% (4,21% no ajuste anterior), o DI abril/2023 avançou para 5,70% (5,65% no ajuste anterior) e o DI julho/2025 aumentou para 6,44% (6,40% no ajuste anterior).

Petróleo fecha em queda reagindo às preocupações com coronavírus

Os contratos futuros de petróleo encerraram em queda nesta quinta-feira (23), pressionados pelo receio quanto aos impactos da disseminação do coronavírus na China.

O petróleo vendido em Nova Iorque no West Texas Intermediate (WTI), com entrega para fevereiro, recuou 2,02%, no preço de US$55,59 o barril.

Já o petróleo Brent comercializado na ICE de Londres, para entrega em março, registrou queda de 1,85%, fechando na cotação de US$62,04 o barril.

Os investidores ficaram preocupados com a demanda da commodity no gigante asiático, tendo em vista a proliferação do coronavírus e as medidas adotadas para a contenção da doença.

O governo chinês decidiu isolar a cidade de Wuhan, foco inicial do vírus, suspendendo os serviços de transporte de todas as modalidades.

Além disso, as viagens aéreas no feriado do Ano Novo Lunar chinês serão drasticamente reduzidas devido ao risco de contágio, o que também deverá impactar na demanda por óleo bruto.

Os contratos chegaram a devolver parte das perdas após a divulgação dos dados sobre os estoques da commodity nos Estados Unidos.

Segundo o Energy Information Administration, a oferta de petróleo caiu em 400 mil barris na semana passada, porém, as quantidades de gasolina subiram 1,7 milhão de barris.

Mas a pressão pelos temores quanto a um possível cenário de excesso de oferta prevaleceu sobre as cotações, levando ambas as referências a estenderem as perdas da véspera.

Noticiário Corporativo: Oi vende sua participação na Unitel para o Grupo Sonangol por US$1 bilhão

A Oi fechou a venda de sua participação de 25% na empresa de telecomunicações Unitel para o Grupo Sonangol da Angola, pela quantia de US$1 bilhão.

Segundo matéria do jornal O Globo, o Grupo depositará à companhia brasileira US$750 milhões amanhã e pagarão restante em até 90 dias.

Os recursos vão ingressar direto no caixa da Oi e serão utilizados em diversas finalidades como quitação de parte das dívidas, investimento nas operações da empresa, etc.

A gigante de telecomunicações do Brasil vem enfrentando um processo de recuperação judicial desde 2016 e ainda está obtendo prejuízos em meio ao avanço da concorrência no setor.

A conclusão desta venda é apenas uma parte das transações que estão por vir e devem deixar a Oi mais confortável para concentrar esforços em sua operação, conforme analisou o Bradesco BBI.

O banco citou que a companhia poderá arrecadar cerca de R$8 bilhões até o final do primeiro trimestre, somando a venda dos 25% na Unitel, um empréstimo-ponte de aproximadamente R$2,5 bilhões e a venda de ativos, como centro de dados, torres e imóveis.

Posteriormente, o empréstimo poderá ser convertido em emissão de títulos, facilitando o pagamento e a negociação dos valores junto aos credores.

Os analistas do Bradesco BBI também vislumbram a possibilidade da Oi vender parte dos negócios de telefonia móvel ainda neste semestre, apesar de uma transação como esta demorar de 18 a 24 meses para ser concluída.

Na sessão de hoje, as ações ordinárias da Oi (OIBR3) subiram 9,18%, fechando na cotação de R$1,07.