Investidores da América Latina são os mais cautelosos no curto prazo e os mais otimistas com a década, diz UBS

Os investidores na América Latina foram mais cautelosos no curto prazo e mais otimistas em relação às tendências de longo prazo do que em qualquer outra região, segundo pesquisa do banco suíço UBS feita com 3,4 mil investidores em todo o mundo.

Pouco mais de 80% dos latino-americanos esperam maior volatilidade no próximo ano, e 64% estão preocupados com o conflito comercial entre Estados Unidos e China – a taxa mais alta de preocupação com este evento no mundo. No entanto, 83% têm uma visão otimista sobre os retornos na próxima década.

No Brasil, especificamente, 89% dos investidores esperam maior volatilidade em 2020, e 59% não têm certeza se este é um bom momento para investir. Além disso, nove em cada dez investidores brasileiros procuram saber o impacto das eleições norte-americanas em seus portfólios.

Globalmente, quase oito em cada dez investidores veem um período de maior volatilidade em 2020, enquanto mais da metade espera uma queda significativa nos mercados em algum ponto do próximo ano. Na média, 44% se preocupam com o conflito sino-americano, ante 45% dos entrevistados nos EUA e 30% na China.

Para lidar com o ambiente de maior volatilidade, 64% dos investidores cogitam adicionar ações de alta qualidade às suas carteiras, enquanto outros aumentariam a diversificação e o caixa. No geral, os investidores ricos ainda detêm 25% de suas carteiras em dinheiro, com 60% dizendo que considerariam aumentar ainda mais esse nível.