Lançamento de Amazon Prime no Brasil quebra valor das varejistas brasileiras

O lançamento do Amazon Prime nesta terça feira (10) no Brasil gerou uma mudança no mercado varejista do país, levando, sobretudo, a uma diminuição no valor de mercado das companhias de varejo eletrônico brasileiras.

A gigante americana Amazon atua no Brasil há sete anos, e durante todo este tempo nunca foi uma ameaça para as concorrentes brasileiras, mesmo vendendo anualmente US$ 233 bilhões (quase R$ 1 trilhão) ao redor do mundo.

As principais redes de varejo do Brasil, Magazine Luiza, B2W, Lojas Americanas e Via Varejo, perderam juntas R$ 4,75 bilhões na bolsa de São Paulo (B3) e fecharam o dia valendo R$ 103,7 bilhões, segundo informações do jornal Valor Econômico.

O novo serviço da Amazon terá um curto de R$ 89 por ano, ou R$9,90 e oferecerá aos clientes entrega ilimitada de produtos comprados no site, além de acesso ilimitado a serviços de vídeo, música, livros digitais e jogos eletrônicos.

Mesmo sendo algo bastante inovador no Brasil, ex- executivos da Amazon e fornecedores acreditam que a empresa terá um embate com as varejistas daqui, pois o varejo online brasileiro avançou muito nos últimos anos e tem capacidade para competir com a Amazon.

Segundo o Valor, calcula-se que a Amazon tenha faturado R$ 800 milhões no Brasil em 2018, apenas 4% das vendas do Magazine Luiza e pouco mais de 10% das do Mercado Livre.

Richard Cathcart, analista do Bradesco BBI, disse ao veículo que a oferta da Amazon não é superior à de suas rivais em termos de prazos de entrega, custo, cidades cobertas e itens vendidos, e citou a entrega em 24 horas fornecida pela Magazine Luiza.