Novas projeções para o PIB brasileiro e Ibovespa; agenda econômica e balanço corporativo

As estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foram revistas diante do surto do Covid-19. Para o Barclays, o PIB local para 2020 deve reduzir 0,5%. O sócio-fundador da SPX, Rogério Xavier, acredita que o indicador pode cair 5%.

Na avaliação do gestor, o Tesouro e o Banco Central estão adotando medidas na direção certa, mas ainda é pouco.

Adolfo Sachsida, O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia explicou que o setor público não pode revisar as projeções do PIB brasileiro (atualmente em expansão de 0,02%) com a mesma frequência que os analistas do mercado financeiro.

O impacto econômico da crise sobre o lucro das empresas na América Latina levou o JPMorgan Chase a reduzir as expectativas para o Ibovespa em 36%, de 126.000 para 80.500 pontos.

Entre os destaques da nossa agenda econômica está o Relatório Trimestral de Inflação pelo Banco Central após divulgação do IPCA.

O investidor também vai ficar de olho na publicação do IBC-Br de janeiro. Nos EUA, saem os números de estoques no atacado de fevereiro, bem como o PIB anualizado do 4T19 e os novos pedidos de seguro-desemprego semanal.

Lucro da JBS no 4T19 supera previsões e seu EBITDA ajustado de 2019 é recorde

O lucro da JBS (JBSS3) do quarto trimestre do ano passado surpreendeu e superou as expectativas de analistas do mercado.

No período, a dona de marcas como Seara e Swift lucrou R$2,43 bilhões ante aos R$560 milhões contabilizados do 4T18.

A projeção de lucro para a maior processadora de carne do mundo era de R$2,19 bilhões, segundo dados da Refinitiv.

De acordo com a JBS, esse forte salto no desempenho foi apoiado pela demanda chinesa, que ampliou as importações por causa da peste suína africana que comprometeu o seu rebanho.

Assim como o lucro da JBS, seu lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização também superou as projeções.

Foram R$5,67 bilhões entre outubro e dezembro do ano passado, contra expectativa média compilada pela Refinitiv de R$5,53 bilhões.

Em 2019, o EBITDA ajustado foi recorde de R$19,9 bilhões ou US$5,0 bilhões com margem EBITDA ajustada de 9,7%.

Houve também um salto de quase 21% na receita líquida do período, para R$57,1 bilhões.

Segundo o vice-presidente financeiro, Guilherme Cavalcanti afirmou à Reuters, a JBS não precisará levantar capital adicional para enfrentar a crise do coronavírus.