Petróleo avança com tensões no Oriente Médio e otimismo nas negociações EUA-China

Os contratos futuros de petróleo avançaram nesta terça-feira (23), reagindo ao agravamento das tensões no Oriente Médio e na retomada das negociações entre Estados Unidos e China.

Na última sexta-feira, o Irã apreendeu um navio petroleiro britânico que navegava na região e isso acentuou o conflito entre Teerã e o Ocidente.

Segundo um relatório da Seveis Report Research, as forças armadas da Grã-Bretanha teriam se aproximado da União Europeia para discutir um plano de proteção aos navios que utilizam o entorno do Estreito como rota comercial.

Na manhã de hoje, o presidente Donald Trump acusou o Irã de mentir sobre a suposta prisão de 17 espiões iranianos, que estariam trabalhando secretamente para os EUA.

A escalada de conflitos do país persa com as maiores economias do mundo tem um potencial de mitigar a oferta global de petróleo, já que a república islâmica é um dos principais produtores, por isso, os preços saltaram nesta sessão.

Outro fator que pressionou a alta das cotações foi a notícia de que o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, viajarão a Pequim na semana que vem, para uma reunião com o vice-primeiro-ministro chinês Liu He.

No fim da sessão regular, o petróleo WTI para entrega em setembro avançou 0,98%, sendo cotado a US$56,77 o barril e o petróleo Brent também para setembro saltou 0,90%, sendo cotado a US$63,83 o barril.