Petróleo declina mais de 2% com temores sobre a demanda na China

Os contratos futuros de petróleo encerraram em queda nesta sexta-feira (24), reagindo às preocupações sobre o possível impacto que o surto do vírus possa causar sobre a demanda chinesa.

O petróleo vendido em Nova Iorque no West Texas Intermediate (WTI), com entrega para março, recuou 2,51%, no preço de US$54,17 o barril. Na semana, o WTI desvalorizou 8%.

Já o petróleo Brent comercializado na ICE de Londres, para entrega no mesmo mês, registrou queda de 2,17%, fechando na cotação de US$60,69 o barril. Na variação semanal, o Brent perdeu mais de 7%.

Com o agravamento da disseminação do coronavírus na China, as autoridades locais colocaram pelo menos 13 cidades e 40 milhões de pessoas em quarentena, segundo publicação da Bloomberg.

Além dos países Japão, Tailândia, Taiwan, Coreia do Sul, Vietnã, Cingapura e Arábia Saudita, a doença já alcançou os Estados Unidos e a França.

Durante o dia, o governo americano reportou o segundo caso do coronavírus em seu território e o governo francês confirmou a contaminação de uma pessoa na região de Bordeaux e outra próximo à Paris.

Enquanto o mercado não tiver plena clareza dos impactos da propagação da doença, os preços do petróleo serão fortemente afetados, sobretudo, porque haverá uma desaceleração nas atividades normais.

A proibição de viagens durante o feriado do Ano Novo Lunar chinês é apenas um dos exemplos de restrições que afetarão a demanda pela commodity no país que é o maior importador líquido do mundo.