Petróleo faz nova sessão de queda de olho em conflito EUA-China

Os contratos futuros de petróleo encerraram em queda nesta quinta-feira (15), refletindo um novo capítulo da disputa comercial entre Estados Unidos e China.

Segundo o Ministro das Finanças do governo chinês, Pequim adotará “contramedidas necessárias” em resposta à ofensiva tarifária estabelecida por Washington.

O presidente americano Donald Trump anunciou a imposição de tarifas de 10% sobre US$300 bilhões em produtos importados do gigante asiático.

Embora o Escritório do Representante Comercial dos EUA tenha suspendido a taxação à algumas classes de produtos, a pasta chinesa defende que a medida viola a trégua firmada entre os dois países durante o encontro do G-20.

Os investidores temem que o conflito entre as duas maiores potências do mundo agrave o ritmo de desaceleração econômica nos países e possa reduzir os níveis de demanda pela commodity.

Para piorar a situação, as tensões se intensificaram no Oriente Médio, após o ministro das Relações Exteriores do Irã publicar em sua conta no Twitter que estão “roubando propriedades” do país persa, fazendo referência à tentativa dos EUA de apreender um navio petroleiro iraniano.

Como resultado, o petróleo WTI para entrega em setembro recuou 1,38%, sendo cotado a US$54,47 o barril e o petróleo Brent para outubro caiu 2,10%, sendo cotado a US$58,23 o barril.