Petróleo recua com receios sobre a produção da Opep e desaceleração econômica na China

Os contratos futuros de petróleo encerraram em queda nesta segunda-feira (09), com o mercado reagindo aos sinais de desaceleração na economia da China e aos temores sobre o corte na produção da Opep.

O petróleo vendido em Nova Iorque no West Texas Intermediate (WTI), com entrega para janeiro, caiu 0,30%, sendo negociado a US$59,02 o barril.

Enquanto o petróleo Brent para fevereiro, comercializado na ICE de Londres, recuou 0,21%, fechando na cotação de US$64,25 o barril.

Segundo dados divulgados pelo governo chinês, as exportações do país declinaram 1,1% no mês de novembro, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Na condição de maior importador líquido de óleo bruto do mundo, a contração econômica no gigante asiático poderá impactar negativamente as projeções de demanda para 2020.

O fato trouxe forte pressão de baixa às cotações, já que há um risco iminente de o país não conseguir fechar um acordo comercial com os Estados Unidos antes que um novo aumento de tarifas entre em vigor.

Outro aspecto que também adicionou volatilidade aos preços da commodity foi a preocupação com os níveis de corte na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

Alguns analistas de mercado questionaram se as quantidades reduzidas serão suficientes para manter os contratos no mesmo nível, ou mesmo, alcançar um possível equilíbrio de preços um pouco mais baixo.

Até porque, não se sabe quão comprometidos com a meta estão todos os países, tendo em vista que em situações anteriores houve o descumprimento da diretriz de cortes estabelecida pelo cartel.