Conferência da ONU começa hoje e discute mudanças climáticas

cenário ambiental preocupa e é principal assunto da conferência da ONU sobre o clima (COP-25), em Madrid, na Espanha.

Líderes políticos e diplomatas de mais de 190 países e regiões estão cotados para participar do evento a fim de encontrar um consenso sobre regras de implementação do Acordo de Paris que ainda estão sendo debatidas, por exemplo, mas também regulamentar a venda do carbono e outras medidas.

O acordo, que visa a combater o aquecimento global, deve ser implementado no ano que vem.

António Guterres, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, fez um apelo às vésperas da abertura da conferência da ONU, pedindo aos governos de todo o mundo mais amplitude em seus esforços, com o propósito de combater o aquecimento global.

Ele ressaltou a maior frequência dos desastres naturais relacionados ao clima, o que demanda ainda mais recursos financeiros e humanos.

Na entrevista, Guterres se referiu a uma crise climática global ao afirmar que as mudanças climáticas não são mais um problema de longo prazo; em contrapartida, os esforços globais com o propósito de interromper o avanço desse cenário têm sido absolutamente inadequados.

Traduzindo a urgência da contenção dos danos climáticos, o slogan da conferência que se estende até o dia 13 de dezembro é “Time for action” (Tempo de agir, em tradução livre).

Antecipando algumas soluções, o governo de Jair Bolsonaro publicou, no Diário Oficial da União, um pacote de decretos ambientais.

Entre eles, existe um decreto que cria uma comissão para controle de desmatamento ilegal.

Especialistas ouvidos pela Folha de S. Paulo acreditam que a publicação tão próxima da conferência da ONU pode ser um movimento cujo propósito é vender uma imagem mais positiva do país no encontro que inicia hoje.