PF cumpre mandado de busca e apreensão contra família Coelho; impacto nas reformas depende do presidente

A Polícia Federal cumpre, nesta manhã, mandados de busca e apreensão contra o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, e contra o filho dele, deputado Fernando Coelho Filho. O caso envolve o desvio de recursos públicos para a região Nordeste quando Coelho pai foi ministro da Integração Nacional de Dilma Rousseff, destacadamente a transposição do rio São Francisco.

O ministro pró-Lava Jato do STF, Luís Barroso, autorizou a operação, num momento em que o governo tem atuado para desidratar a operação, afirmando o conservadorismo cultural e não o combate à corrupção como vetor eleitoral. O governo também realiza uma série de interferências em órgãos de controle, supostamente para blindar o senador Flávio Bolsonaro, como na PGR, ex-Coaf e na própria PF, que, ontem, acabou confirmando a manutenção do atual diretor, após conflitos entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça, Sergio Moro, em torno do órgão.

Quarenta mandados são cumpridos ao todo, em Brasília e em Pernambuco, base eleitoral dos Coelho. As investigações alcançam também a propriedade e o uso do jatinho que caiu com o presidenciável do PSB em 2014, Eduardo Campos, do mesmo estado. A operação deve atingir forte, nos próximos capítulos, o establishment político pernambucano, envolvendo desde a centro-esquerda à centro-direita e, ironicamente, pode ajudar a impulsionar outsiders bolsonaristas na região nordeste.

Os impactos do processo deflagrado nesta quinta devem se prolongar, pelo menos, até a cercania das eleições municipais de 2020. Já a consequência sobre as reformas econômicas dependerá da postura do presidente Bolsonaro em defender ou rifar seu líder no Senado.