Sem reforma administrativa, governo pode recriar até 10 ministérios

A pressão, no entanto, não para por aí.

Com o travamento da análise de MPs, a reforma administrativa pode não ser aprovada até 3 de junho pelo Congresso.

Isso quer dizer que a medida perderia sua validade. Ademais, se for derrotado nessa votação, o governo pode ser obrigado a recriar até dez ministérios.

No início de seu mandato, Bolsonaro editou a MP 870 e reduziu o número de pastas, de 29 para 22.

Agora, pode ter a configuração do governo de Dilma Rousseff, que contava com 32 pastas em 2015. Isso porque o Planalto segue enfrentando muitas dificuldades na Câmara e no Senado.

Sem o sinal verde, todas as fusões de ministérios serão desfeitas e repartições sairão do limbo.

Leia mais:

Bolsas da Ásia encerram pregão em alta mesmo após dados chineses modestos

Saiba quais são os principais compromissos econômicos globais para esta quarta-feira

Brasil pesa economia latino-americana, diz o Indicador Ifo/FGV de Clima Econômico (ICE)

Governo prepara novo programa habitacional e pode usar mais recursos do FGTS no MCMV

Cortes na educação: falta de alinhamento no governo gera “disse me disse”

Líderes recusam encontro com Bolsonaro e governo sofre nova derrota na Câmara

Resultados corporativos: lucro de Copel e Equatorial Energia crescem 43% e 157%, respectivamente

Resultados corporativos: Helbor e Gafisa reduzem prejuízo em 42,1% e 13%, respectivamente

Resultados corporativos: prejuízo da Renova Energia sobe e lucro da Guararapes recua