Descubra aqui se vale a pena fazer empréstimo para pagar dívidas

Fazer um empréstimo para quitar dívidas é uma opção a ser considerada para quem precisa colocar as contas em ordem e reorganizar as finanças. Porém, nem sempre é fácil identificar quanto essa alternativa é vantajosa, o que pode, em vez de ajudar, complicar ainda mais a situação financeira desfavorável do momento.

Antes de tomar qualquer decisão, o ideal é fazer um planejamento realista, que contenha todas as despesas, ganhos e etapas necessárias para a resolução do problema. Para isso, é fundamental estar bem informado e comprometido, caso contrário o endividamento será apenas substituído por outra conta ou até mesmo piorar, se o descontrole for ainda maior.

Para ajudar a entender melhor a situação, analisar se o empréstimo é uma boa opção e quando é indicado usá-lo, neste artigo vamos falar sobre o tema e apontar caminhos para ajustar as finanças e deixar as contas no azul. Continue a leitura e se informe!

O que avaliar para saber se vale a pena pegar o empréstimo?

A ideia central de se pegar um empréstimo para quitar dívidas é trocar vários valores em aberto, e com juros correndo de modo desorganizado, por um único crédito. Este, que pode ser administrado com estratégia e resolver uma situação que já saiu ou está saindo do controle.

Sendo assim, antes de pegar um empréstimo com o objetivo de organizar as finanças, é indicado avaliar pontos chave, entre os quais estão:

  • O empréstimo é realmente necessário?
  • Será possível pagar a nova dívida?
  • Os juros da dívida do empréstimo são mais vantajosos do que os juros das contas em aberto?
  • A empresa que vai me emprestar o dinheiro é confiável?

Somente depois de analisar todas as variáveis é indicado tomar uma decisão, sempre pautada em um padrão de consumo responsável. Afinal, a ideia é ajustar o desequilíbrio das contas e não piorar ainda mais a situação, não é mesmo?

Qual a importância do planejamento para reorganizar as finanças?

Por mais óbvio que pareça, é sempre importante lembrar que um bom planejamento financeiro é o alicerce de uma vida financeira sustentável, uma vez que é a partir dele que se toma consciência de gastos, ganhos, despesas fixas e recorrentes, contas essenciais e o que pode ser cortado, entre outros pontos importantes.

Somente com clareza, organização, responsabilidade e comprometimento é possível colocar a vida financeira sob controle e colher os benefícios decorrentes disso. Entre os principais pontos de um bom planejamento financeiro estão alguns que veremos a seguir.

Criação de uma planilha financeira

A planilha financeira é um modo prático e visual de fazer o acompanhamento de todas as despesas e fazer ajustes sempre que for necessário. Ela pode ser uma planilha do Excel ou a anotação dos gastos ao longo do mês, o importante é criar o hábito de realmente registrar todas as despesas, mesmo que elas sejam bem pequenas, como um cafezinho na padaria.

A ideia com isso é ter a real dimensão do destino do dinheiro e a partir desse levantamento organizar melhor essa distribuição. Também fica mais fácil saber onde podem ocorrer cortes, caso isso seja necessário em algum momento.

Envolvimento de toda a família

Quem tem família deve envolver todos os membros no objetivo de reequilibrar as contas, caso contrário todo o esforço realizado corre o risco de ser em vão. O correto é alinhar o planejamento com todos os familiares. Quanto mais comprometimento todo mundo tiver, maiores são as chances de sucesso.

Padrão realista de consumo

De nada adianta fazer um esforço para pagar as contas e até mesmo pegar um empréstimo para isso, se o padrão de consumo não for de acordo com os ganhos mensais. Sendo assim, é fundamental comprar somente o que for necessário e dentro dos limites estabelecidos no planejamento.

Por mais difíceis que sejam, esses sacrifícios são vitais para conseguir honrar com as dívidas assumidas e melhorar a credibilidade do consumidor no mercado.

Quando o empréstimo é vantajoso para quitar dívidas?

De modo geral, o empréstimo é vantajoso nas situações em que seja preciso trocar todas as dívidas por uma única. A ideia é somar as contas e pegar um crédito que seja capaz de cobri-las. Confira a seguir situações em que um empréstimo para quitar dívidas vale a pena.

Juros altos no cartão de crédito ou no cheque especial

As taxas de juros cobradas por cartões de crédito e no cheque especial podem fazer com que o valor inicial devido aumente significativamente. Sendo assim, é o caso de considerar pegar um empréstimo para pagar essa dívida e assumir uma nova, com novo prazo de pagamento e taxas melhores.

Limpeza do nome no SPC e Serasa

Ter um nome negativado é uma situação desfavorável para qualquer consumidor. Portanto, é indicado considerar pegar um empréstimo para quitar o saldo devedor e deixar o nome limpo novamente.

Lembre-se de que as empresas consideram esse fator na hora de conceder novos créditos, o que faz com que os juros para empréstimo para negativados sejam maiores. É preciso avaliar bem e negociar as melhores condições possíveis de pagamento e juros.

Desconto no pagamento da dívida

Caso o credor ofereça um bom desconto para a quitação da dívida, o empréstimo também pode ser vantajoso, já que assim é possível se organizar e aproveitar a oportunidade oferecida.

A dica aqui é fazer as contas e ver se compensa. Caso os juros do empréstimo sejam mais em conta, vale a pena trocar uma dívida sob controle por outra antiga e com incidência de altas taxas de juros, devido à quebra de contrato, ao atraso no pagamento e inadimplência, entre outros fatores.

Agora que você já sabe como funciona e quando é indicado fazer um empréstimo para quitar dívidas, pode se organizar melhor e tomar decisões mais certeiras.

Lembre-se sempre de que o ideal é manter o equilíbrio financeiro, ou seja, evitar ao máximo o endividamento. Quando e se ele acontecer, no entanto, o mais correto é buscar por soluções para o problema, entre as quais pode estar o empréstimo.

Gostou do conteúdo? Então deixe seu comentário ou sugestão, será um prazer saber a sua opinião.