7 Indicadores Fundamentalistas Essenciais para Analisar uma Empresa

Já pensou em investir em ações na bolsa de valores?

Possivelmente sim.

E ao pensar a respeito disso, você deve ter se deparado com dois caminhos:

  • Análise técnica
  • Análise fundamentalista

Estas são duas metodologias diferentes que tem como objetivo o de analisar uma empresa.

Ao realizar uma dessas análises, você deverá saber se a empresa analisada é uma boa opção para investir o seu dinheiro ou não.

É crucial realizar uma boa análise, seja qual for o método utilizado.

Pois uma análise mal feita pode levar a decisões erradas.

E sabemos que quando se trata da bolsa de valores, decisões erradas podem incorrer em grandes perdas de dinheiro.

Cada uma dessas metodologias possui diversos critérios e indicadores na hora de realizar a análise de uma empresa listada em bolsa.

Tendo isso em vista, o objetivo desse artigo é apresentar 7 indicadores fundamentalistas que você deve utilizar na hora de analisar uma empresa e tomar uma decisão.

O Que é Análise Fundamentalista?

A análise fundamentalista é uma ferramenta que utiliza indicadores de mercado, dados econômicos, balanços e demais resultados da empresa a fim de identificar boas oportunidades.

Através dessa ferramenta, o investidor avalia a saúde financeira de uma empresa e o cenário econômico em que essa empresa se encontra.

Tudo isso com o propósito de tentar determinar um preço justo para as ações da empresa analisada.

Além de tentar identificar boas oportunidades de crescimento e geração de valor no longo prazo.

O principal objetivo da análise fundamentalista é encontrar empresas negociadas abaixo do seu “valor ideal” para virar sócio e permanecer com as ações no longo prazo.

Dessa forma acompanhando o crescimento da empresa e recebendo parte dos lucros da mesma.

Indicadores Fundamentalistas Essenciais ao Analisar uma Empresa

Agora que já definimos o que é análise fundamentalista, vou apresentar alguns dos indicadores fundamentalistas que eu considero essenciais na hora de analisar uma empresa.

P/L

O indicador P/L é o preço da ação negociada na bolsa sobre o lucro líquido da empresa por ação.

Ele mostra quanto tempo o investidor levaria para reaver o capital investido, caso a empresa distribuísse 100% dos lucros aos acionistas e caso ela continuasse lucrando sempre o que ela lucra hoje.

Ou seja, ele é um indicador que não considera o reinvestimento dos lucros por parte da empresa e nem o potencial de crescimento da mesma.

Um P/L alto significa que você levaria muito tempo para recuperar seu capital investido.

Contudo, este indicador não pode ser utilizado sozinho.

Até mesmo porque um P/L alto pode significar que o mercado tem altas expectativas sobre o crescimento da empresa no longo prazo.

Dessa forma, já está precificando a ação da empresa como “cara”, devido aos bons resultados que ela deve apresentar no futuro.

Assim como um P/L baixo pode significar que o mercado não espera que a empresa consiga manter no longo prazo os mesmos resultados que ela tem hoje.

Para lhe dar uma base de comparação, pode considerar um P/L inferior a 20 como bom.

Pois acima disso elas já estão consideradas muito caras.

Contudo, tome muito cuidado com um P/L muito baixo.

Um P/L inferior a 3 significa que a empresa está excessivamente barata, portanto é preciso tomar cuidado.

Porque isso pode representar problemas estruturais graves na empresa.

Lucro Líquido

Como eu mencionei anteriormente, não se pode utilizar o indicador P/L separadamente.

Pois um P/L alto ou baixo demais por si só podem representar muitas coisas.

Portanto, você também precisa analisar o histórico do lucro líquido da empresa.

Um P/L alto pode ser justificado por um histórico de lucro líquido crescente ao longo dos anos.

Ao olhar para o lucro líquido da empresa, analise um histórico de pelo menos 5 anos.

A fim de verificar se a empresa vem apresentando resultados positivos e crescentes ao longo dos anos.

P/VPA

O indicador P/VPA se trata do preço da ação negociada na bolsa, sobre o valor patrimonial por ação.

O valor patrimonial por ação é o quanto “deveria valer” cada ação da empresa.

Este número é obtido pegando o valor do patrimônio líquido da empresa, que se trata basicamente da diferença entre todos os seus ativos e os seus passivos.

Com a diferença entre os ativos e os passivos da empresa, basta dividir esse valor pelo número de ações negociadas no mercado.

Este será o VPA.

Para exemplificar, digamos que uma empresa tem 1 milhão de reais em ativos, e 500 mil reais em passivos.

Dessa forma, a diferença entre os ativos e passivos é de 500 mil (1 milhão – 500 mil).

Agora, digamos que a empresa possui 10 mil ações sendo negociadas na bolsa de valores.

Portanto, o VPA (Valor Patrimonial por Ação) é de 50 reais (500.000/10.000).

Assim, 50 reais seria o “preço ideal” da ação.

Só que as ações dessa empresa estão sendo negociadas a 60 reais.

Portanto, o P/VPA é de 1,2 (60/50).

Na teoria, um P/VPA=1 significa que a empresa está sendo negociada por um preço justo.

Valores acima de 1 representam ações “caras”, enquanto que valores menores que 1 representam ações “baratas”.

Contudo, este indicador também não leva em consideração o potencial de crescimento da empresa.

Dessa forma, não pode ser utilizado sozinho.

É muito comum encontrar boas empresas com P/VPA acima de 1.

Margem Líquida

Trata-se do lucro líquido da empresa, sobre a receita líquida dela.

Em outras palavras, é quanto sobra para a empresa depois que ela vende os seus produtos/serviços.

Quanto maior a margem líquida da empresa, melhor.

Porque em cenários de poucas vendas ou crises econômicas, empresas com altas margens terão mais dinheiro em caixa para arcar com as suas despesas e se sustentar.

Pode ser considerado uma boa margem, empresas que operam com mais de 10% de margem líquida.

ROE

Return on Equity, ou então Retorno sobre o Patrimônio Líquido.

É um dos indicadores fundamentalistas mais famosos.

Este indicador fala sobre a rentabilidade da empresa.

O mesmo serve para medir quanto o patrimônio líquido da empresa pode gerar de lucro líquido para o acionista.

Para calcular o ROE, basta pegar o lucro líquido da empresa e dividir pelo seu patrimônio líquido (PL).

Um ROE de 20% por exemplo, significa que a cada 100 reais que os acionistas colocam na empresa, a mesma gera 20 reais de lucro.

Ou seja, de uma forma bem simples, a cada 100 reais investidos, a empresa transforma em 120 reais.

Um ROE acima de 10% já é considerado um bom indicativo para a empresa em análise.

DB/PL

O DB se trata da dívida bruta da empresa.

Ou seja, é o total de compromissos financeiros com quem a empresa tomou dinheiro emprestado.

PL é a sigla para o patrimônio líquido de uma empresa.

Como falamos anteriormente, patrimônio líquido é a diferença entre os ativos e passivos de uma empresa.

Obviamente que quanto menor a dívida de uma empresa, melhor.

Mas tenha em mente que é completamente comum empresas tomarem dívidas.

Em muitos casos essa é a única alternativa que a mesma tem de continuar crescendo.

E também é possível deixar essa dívida em valores saudáveis.

Contudo, ao analisar o indicador DB/PL, é muito importante que uma empresa tenha uma dívida líquida inferior a 1.

Valores acima de 1 significam que a empresa está devendo mais do que ela vale.

Também é importante destacar que não se deve utilizar este indicador para comparar empresas de setores diferentes.

Existem setores em que é normal depender de financiamentos para que as empresas continuem crescendo.

Enquanto em outros setores isso não é tão necessário.

Dividend Yield

O DY é a relação percentual entre o que você investe na empresa e o quanto você recebe de dividendos e juros sob capital próprio.

Ou seja, é quanto a empresa distribui de lucros para os acionistas.

Por exemplo: se uma ação está sendo negociada na bolsa de valores a 10 reais, e nos últimos 12 meses ela distribuiu 1 real de proventos por ação para os acionistas, então o DY neste ano foi de 10%.

Portanto, quanto mais lucros a empresa distribuir aos acionistas, maior será o Dividend Yield.

Novamente, não se deve utilizar este indicador sozinho na hora de avaliar uma empresa.

Empresas pequenas que estão em fase de crescimento precisam reinvestir a maior parte dos lucros obtidos no negócio (ou todos eles) para se sustentar e continuar crescendo.

Desse modo, se uma empresa pequena está pagando altos dividendos aos acionistas, pode significar que ela não está crescendo.

De uma forma geral, empresas pequenas pagam poucos dividendos.

Enquanto que empresas grandes, que já estão consolidadas no mercado e não possuem uma expectativa tão grande de crescimento pagam dividendos maiores.

Conclusões

A análise fundamentalista é uma ferramenta muito poderosa para avaliar empresas.

Se você fizer uma boa análise, pode tomar ótimas decisões que trarão altos ganhos no futuro.

Assim como se fizer uma análise ruim, pode acabar perdendo dinheiro por ter investido de forma errada.

Os indicadores fundamentalistas apresentados neste artigo foram apenas alguns dos diversos que existem.

Conforme mencionado ao longo do artigo, não se deve utilizá-los de forma separada.

Pois somente um ou dois indicadores podem não representar a saúde financeira da empresa e o seu potencial de crescimento.

Dessa forma, você pode acabar tomando decisões erradas.

Espero que este artigo tenha sido útil para esclarecer como funcionam e como utilizar alguns indicadores fundamentalistas na análise de empresas.